Abril 27, 2021

Em tempos de especulação, vale tudo!

Em tempos de especulação, vale tudo!
MAURÍCIO VIEIRA/SECOM

O fato da governadora interina Daniela Reinehr estar em Brasília, desde sábado (24), já enche o imaginário de adversários e apoiadores sobre teorias de conspiração, como a passagem dela, nesta segunda (26), pela Procuradoria Geral da República.

Daniela estará na sede da PGR para a assinatura de um protocolo, ato confirmado pela assessoria da governadora interina, sem dar detalhes, por ora, do conteúdo, porém não se encontrará com o procurador-geral, Augusto Aras, juntamente com a secretária Ana Cristina Blasi (Administração), o que levantou a dúvida.

Outra informação diz respeito ao recente encontro de Daniela com a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), semana passada, que originou uma Fake News daquelas.

Nas redações da capital paulista, começou a circular o vídeo e imagens do desastroso evento do ano passado, uma festa junina em um hotel em Gaspar, no Vale do Itajaí, dia em que o governador afastado Carlos Moisés aparece em conversas sem máscara, só que a versão aos jornalistas foi passada como um fato de agora com origem no gabinete da parlamentar. Se verdadeira a fonte, é lamentável!

 

Agenda

Em Brasília, Daniela cumpre agenda na Secretaria de Articulação Nacional, pela manhã.

E à tarde, vai na reunião no Ministério de Minas e Energia sobre a questão da Usina Jorge Lacerda (15h), outra reunião com a presidência do Banco do Brasil sobre demandas de crédito rural em Santa Catarina (17h) e ainda vai à Defesa Civil Nacional para tratar do Plano Nacional de Logística e a abertura da Barra do Camacho, obra entregue pelo presidente Jair Bolsonaro, que apresenta muitos problemas.

Na foto, na sede da Secretaria de Articulação Nacional, em Brasília, nesta segunda (26), Daniela acompanhada de uma comitiva: secretária Ana Cristina Ferro Blasi (Administração), o procurador do Estado em Brasília (PGE) Fernando Filgueiras e Sinval Silveira Júnior, chefe de Gabinete da vice-governadora.

 

Alvo

Evidentemente que o alvo nos últimos dias tem sido Carlos Moisés, principalmente depois de confirmada a data do julgamento para o próximo dia 7 de maio.

Há todo o jogo de artimanhas possíveis, uma delas tenta relacionar Moisés com o uso de aeronaves particulares pagas pelo governo do Estado, mas dessa ele se livra fácil: usa o helicóptero para agendas oficiais próximas da Capital, enquanto viaja de Azul para Chapecó, em compromissos no Oeste, e com outras companhias, voos comerciais de carreira, para viagens a Brasília ou outros estados.

 

Na mira

Pois foram viagens com aeronaves do governo do Estado que colocaram o ex-deputado Gelson Merisio (PSDB) na mira do Tribunal de Contas do Estado.

A corte administrativa enviou ofício à Casa Civil do governo do Estado para saber quando e como Merisio valeu-se de um convênio do Legislativo com a então administração estadual para voos em Florianópolis e outras regiões, alguns compromissos sequer estavam na agenda oficial do ex-presidente da Assembleia. Tudo pago com dinheiro do contribuinte.

 

Diálogo

Merisio deve se encontrar nesta terça (27) com o prefeito Gean Loureiro (DEM), de Florianópolis.

Os dois são pré-candidatos ao governo em 2022 e será interessante saber, além da vontade de cutucar o governador afastado Carlos Moisés, o que move duas pessoas que pretendem estar na cabeça de chapa. A coluna buscou a confirmação junto aos assessores de Gean, mas a resposta não veio.  

 

TALITA ROSA/DIVULGAÇÃO

EXIGÊNCIAS QUE ATRAPALHAM

A exigência da nota fiscal eletrônica atrapalha a execução do Programa de Aquisição de Alimentos pelos integrantes da agricultura familiar, o que provoca o risco deque o governo do Estado devolva R$ 3,7 milhões ao governo federal. O assunto fez parte do encontro virtual da deputada Luciane Carminatti (PT) com representantes do Fórum Catarinense de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (FCSSAN) e do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA/SC). A questão de emitir a nota exigiria recursos tecnológicos que os pequenos produtores rurais não possuem, embora seja facultativa dentro do Estado. Como o governo catarinense não conseguiu aplicar nem 20% dos recursos destinados no último ano, a parlamentar apelou pela prorrogação do prazo para aplicação dos recursos e revisão da questão da nota fiscal, que têm impacto para a população em situação de insegurança alimentar, situação verificada em 134 municípios.

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Roberto Azevedo tem 36 anos de profissão. Estudou jornalismo na UFSC, de Florianópolis, e direito na FURB, de Blumenau. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, chefe de Redação, editor-chefe, gerente e diretor de Jornalismo, na RBS TV de Blumenau e Florianópolis, na TV Record de Florianópolis, na Rede TV Sul! e na TVBV (Barriga Verde, BAND); comentarista na RIC TV Record e na Record News, e colunista no Diário Catarinense (onde também foi editor de Política) e no Notícias do Dia, tendo blogs nas versões digitais das edições. Atuou nas rádios União de Blumenau e União FM de Florianópolis, e na Rádio Record da Capital catarinense. Além de ter uma coluna no Portal Making Of, desde setembro de 2016, faz comentários sobre política e economia na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e na TVBV (BAND), de Florianópolis.
  • Youtube
MOF 3

Comentários

Onze 5

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!