Fevereiro 20, 2021

Entre o governo e o planejamento para 2022

Entre o governo e o planejamento para 2022
BRUNO COLLAÇO/AGÊNCIA AL

William Shakespeare não resolveria o dilema do MDB com o célebre “Ser ou não ser, eis a questão”, proferido pelo personagem do príncipe da Dinamarca Hamlet, em um monólogo de uma tragédia, até porque o maior partido do Estado pretende, cada vez mais, acabar com o individualismo histórico, tarefa complicada em função dos tradicionais multiprojetos.

Mas o que compromete a narrativa emedebista é o fato de ter mergulhado no governo de Carlos Moisés da Silva (PSL), de cabeça, com a indicação de vários cargos e a presença do deputado Luiz Fernando Vampiro na Educação, e às vésperas de definir um novo posto, com o deputado Jerry Comper (foto), na Defesa Civil, imaginem na análise do eleitor: afinal, o que oferecer de proposta diferente se praticamente saiu de um governo e entrou no outro?

Com muitos pré-candidatos ao governo à mesa, a citar o deputado federal Celso Maldaner (presidente da sigla), o senador Dário Berger, o deputado federal Carlos Chiodini e o prefeito Antídio Lunelli, reeleito em Jaraguá do Sul, sem esquecer outro prefeito, Volnei Morastoni, de Itajaí, a ideia é definir critérios para saber quem tem café no bulê para 2022.

 

Formato

No encontro de segunda-feira (22), em Florianópolis, além das vaidades costumeiras, os 71 integrantes do diretório estarão de frente com a possibilidade de promover uma prévia para a escolha do candidato a governador.

Mas não fica por aí, fala-se em critérios para quem pretende concorrer à Assembleia e à Câmara dos Deputados, até porque não tem mais coligação à proporcional e o Manda Brasa terá que mostrar força.

 

Quase lá

O deputado Jerry Comper debaterá com os demais integrantes da bancada, no almoço de terça-feira (23), se aceita ou não a missão que Moisés lhe conferiu e levará em consideração fatores regionais, já que o Alto Vale do Itajaí é área de frequentes preocupações com incidentes climáticos.

Mesmo que dê pinta de que já está com um pé na Defesa Civil, Comper garantiu em entrevista à RBA TV, de Rio do Sul, nesta sexta (19), que ouvirá a sua base, vereadores, vice-prefeita e demais líderes políticos para tomar a decisão, sequer esqueceu de lembrar que o colega de Assembleia, deputado Milton Hobus (PSD) já ocupou o cargo por duas vezes.

 

E agora?

A bancada do MDB trabalhou para retirar Moisés e a vice Daniela Reinher (sem partido) do governo, parte do plano capitaneado entre outros por Julio Garcia (PSD).

Os ventos mudaram, Moisés saiu ileso, até agora, e Julio está entre outra disputa - com a Justiça Federal, o MPF e a PF -, e fazer parte do governo satisfaz a insaciável necessidade de atender as bases emedebistas.

 

Nem todo mundo

Há muitos deputados na Assembleia e no MDB que têm posição contrária a aderir de cara ao governo, mesmo dentro de PP e PSD, que já embarcaram na Agricultura e na Casa Civil.

Para esses parlamentares, antes de colocar o próprio nome e os patrimônios político e eleitoral, o deputado poderia indicar alguém, uma das saídas para Jerry Comper e outros tantos se livrarem do desgaste de estar no Executivo.

 

Para pensar

Se o dilema emedebista não fosse shakespeariano e sim hipocrático, a resposta de Jerry Comper pela negativa ficaria mais clara.

Sair da Assembleia, diminui a bancada do MDB e abre espaço para a advogada e ex-deputada Anna Carolina Cristofolini Martins, do PSDB, fruto da coligação em 2018, e ainda abre um embate paroquial em Itajaí, com o prefeito Volnei Morastoni, com quem ela bateu chapa em 2016. Será muito equívoco em uma tacada só.

 

SICILIA VECHI/DIVULGAÇÃO

BOA ESTRATÉGIA

A vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido) põe em prática uma nova ação, a de ampliar a interlocução com os municípios. Ela pretende buscar eficiência e aumentar a velocidade no atendimento às necessidades da população. Esta semana esteve cumprindo agenda em Chapecó, Xaxim e Xanxerê ao lado do novo chefe de Gabinete, o advogado João Carlos Ecker. Político experiente, Ecker já foi vice-prefeito de São Lourenço do Oeste e, mais recentemente, secretário estadual da Infraestrutura no governo de Raimundo Colombo (PSD) e presidente do Imetro, no de Eduardo Pinho Moreira (MDB). O interessante é que o trabalho de Ecker nada impedirá dele prosseguir filiado ao MDB, sinal de que Daniela pretende abrir os horizontes igualmente para composições suprapartidárias.

 

Espaço

Ecker deixou uma assessoria importante junto ao gabinete do deputado Valdir Cobalchini.

Saiu não só pela oportunidade de estar com Daniela e também por não ter espaço nos futuros projetos apoiados pelo parlamentar.

 

Alerta!

A Câmara dos Deputados, por 364 votos a 130, manteve a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), conhecido por atacar as instituições democráticas: Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal e a imprensa.

Daniel virou exemplo para os mais radicais e ativistas que se valem da liberdade de expressão ou da prerrogativa de imunidade parlamentar para atacar quem quer que seja e pregar o retorno da ditadura militar, algo que ele nem viveu. Porém, não se enganem, o deputado, que deve estar a caminho da cassação, tem milhares de seguidores e admiradores, é um entre muitos, daqueles que resolveram, há tempos, brigar com a sociedade.  

 

ANN/DIVULGAÇÃO

NOVIDADE NO PL

Quando perguntado sobre alguns projetos, em 2020, em que as candidaturas do PL às prefeituras catarinenses não renderam o esperado, apoiadas na esteira de Jair Bolsonaro, o senador Jorginho Mello afirma que o objetivo, divulgar o 22, foi cumprido. Presidente estadual da sigla, Jorginho trabalha por pavimentar o caminho rumo ao governo no próximo ano e anunciou o empresário Eduardo Usuy para comandar o partido em Florianópolis, onde disputou na condição de vice do ex-vereador Pedro Silvestre, o Pedrão. E não é pouca coisa, pois Usuy substitui nada mais nada menos do que o advogado Filipe Mello, filho do senador. Da esquerda para a direita, o vereador Maikon Costa, Jorginho, Usuy, a vreadora Maryanne Mattos, Filipe e o coordenador do PL na Capital, Heleno Martins.

 

Na rota

Na última quinta (18), Jorginho visitou o presidente da Assembleia, deputado Mauro De Nadal.

O presidente estadual do PL não esconde que conversa com todos, com nítida preferência por compor com MDB ou PP, quem sabe os dois.

 

Explicações

O Ministério Público garantiu no Judiciário o prazo de cinco dias para o governo demonstrar o que tem feito para minimizar os efeitos do avanço da Cocvid-19, em Chapecó e região.

A cobrança vale até porque a nova matriz que avalia o potencial de risco, emitida pelo Centro de Operações de Emergência em saúde, mostra que, das 16 regiões do Estado, apenas uma, a Carbonífera (em torno de Criciúma), registra situação grave, as demais são todas gravíssimas. Confira:

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Roberto Azevedo tem 36 anos de profissão. Estudou jornalismo na UFSC, de Florianópolis, e direito na FURB, de Blumenau. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, chefe de Redação, editor-chefe, gerente e diretor de Jornalismo, na RBS TV de Blumenau e Florianópolis, na TV Record de Florianópolis, na Rede TV Sul! e na TVBV (Barriga Verde, BAND); comentarista na RIC TV Record e na Record News, e colunista no Diário Catarinense (onde também foi editor de Política) e no Notícias do Dia, tendo blogs nas versões digitais das edições. Atuou nas rádios União de Blumenau e União FM de Florianópolis, e na Rádio Record da Capital catarinense. Além de ter uma coluna no Portal Making Of, desde setembro de 2016, faz comentários sobre política e economia na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e na TVBV (BAND), de Florianópolis.
  • Youtube
MOF 3

Comentários

Onze LG Gd

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!