Portal Making Of

Ex-presidente estadual do PSDB vai se filiar no PSD

Março é um mês de muita movimentação no PSD de Santa Catarina. As duas principais festas serão para o secretário e vereador de Criciúma, Arleu da Silveira, e para a vereadora de Balneário Camboriú, Juliana Pavan.

A reunião de Criciúma vai acontecer no próximo dia 6, quarta-feira, e a festa de Juliana será no dia 11 de março no litoral catarinense. Coincidentemente ambos saem do PSDB e se juntam ao grupo pessedista.

Mas o PSD conseguiu tirar do ninho tucano mais um prefeito da região oeste do Estado. é o prefeito de Concórdia, Rogério Pacheco, que vai se filiar no partido num grande encontro que acontece no dia 22 de março, na sua cidade.

Com cinco mandatos de vereador e dois mandatos de prefeito, ele será o principal cabo eleitoral do PSD de Concórdia nas eleições de 2024.

Na semana passada o PSDB recebeu o presidente nacional Marconi Perillo e o deputado federal Aécio Neves, mas realmente ficou estranho a não presença do prefeito de Concórdia.

Mas no último fim de semana, ficou claro do porquê da ausência de Pacheco na reunião tucana que aconteceu em Florianópolis.

Com as filiações de muitos vereadores e de nomes como o de Arleu, Juliana e Rogério, cada vez mais o PSD vai se transformando como a mais forte oposição do PL de Jorginho Mello.

O PSD tem feito algumas alianças com o partido Novo, como é o caso de Joinville e Blumenau, e também tem se aproximado cada vez mais do MDB, que tem reclamado do tratamento recebido do governador de Santa Catarina.

A intenção do PSD catarinense é aumentar a força nos municípios, mas já pensa nas eleições de 2026, onde quer organizar uma grande frente para voltar a comandar Santa Catarina. A última vez que elegeu um governador foi em 2014 com Raimundo Colombo.

Os colunistas são responsáveis por seu conteúdo e o texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal Making of.

Compartilhe esses posts nas redes sociais:

Leia mais

Agora Moisés não serve mais para os aliados

Em agosto, quando estavam definindo quais partidos que iriam apoiar a reeleição do governador, muitos prefeitos e deputados estaduais defendiam Moisés de qualquer crítica que

A política como ela é

Passados seis dias do dia da votação do primeiro turno, onde Jorginho Mello (PL) e Décio Lima (PT) foram os escolhidos para continuarem a disputa