Junho 14, 2021

Fake News rende dinheiro

Fake News rende dinheiro
Reprodução/Youtube

Até hoje se imaginava que a disseminação de fake News atendia a interesses políticos, talvez crenças fora do alcance do cidadão comum, como a terra é plana, máscara faz mal e vacina não protege. Ah, e que existe tratamento precoce para a Covid-19, ao contrário do que dizem estudos científicos.

Agora se sabe que tem um pouco mais. Desde sábado, quando foram revelados documentos que o Google enviou à CPI, o pessoal anda ganhando dinheiro espalhando inverdades. O campeão, segundo o relatório, é o comentarista da CNN, Alexandre Garcia, que monetizou em R$ 70 mil com os boatos que espalhou na internet. Segundo o Google, 126 páginas do jornalista foram apagadas devido a conteúdo falso.

Há uma relação de contemplados com esse dinheiro sujo, conforme a lista, entre as quais Leda Nagle. Ao que parece, jornalistas como eles - que deveriam ficar mais sábios com a idade - encontraram essa forma de evidência. Infelizmente não estão sozinhos, há quem ganhe dinheiro com isso de forma direta mas há também aqueles que o fazem para atender a vontade de outros. Esses sim, buscam remuneração usando a profissão que acima de tudo deveria buscar a verdade.

 

Futebol


Reprodução/SBT

A Copa América enfim foi para o ar no SBT, depois dos bastidores agitados pelo desconforto de jogadores e comissão técnica com a competição em meio à pandemia. O jogo com a Venezuela, uma seleção naturalmente de futebol inferior e bastante afetada por jogadores doentes, deu à emissora de Sílvio Santos o segundo lugar em São Paulo segundo dados preliminares do Ibope.

Domingão do Faustão manteve a liderança com a apresentação de Tiago Leifert, pois o apresentador titular continua hospitalizado para tratar de uma infecção urinária.  A Globo fez 16,4 pontos na Grande São Paulo durante o jogo e o SBT alcançou uma média de 13,6. A Record ficou na terceira posição.

Não deixa de ser um bom investimento para a emissora de Silvio Santos que tende a ter maior índice nas próximas partidas.

 

Covid

O vírus tirou a vida de um dos diretores de jornalismo da Record, baseado em São Paulo: Domingos Fraga, de 62 anos. Fez longa carreira como repórter e em várias funções da redação sempre na emissora. Sua morte mostra que a pandemia não escolhe vítimas e ronda veículos que divulgam um suposto tratamento precoce.

 

Álbum

Textos e fotos com histórias de Jornalismo.


Arquivo pessoal

Final dos anos 80, redação da RBS TV, no Morro da Cruz. Tempo da máquina de escrever e das pessoas trabalhando em uma bancada encostada na parede, de costas umas para as outras. Uma das primeiras providências foi uni-las em uma mesa central. O computador viria anos depois. Graças a essa equipe original o trabalho foi aos poucos se diferenciando. Profissionais como Ylene di Muro (sentada de óculos), editora que revolucionou o RBS Notícias, e coordenadores como Denise Prola, Giovana Flores e Anselmo Prada – todos na foto - fizeram muito pelo telejornalismo catarinense.    

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!