Portal Making Of

Federação dos Jornalistas repudia transmissão de Carnaval da Globo

Vítor diCastro, ator e influenciador (Foto: Divulgação)

Na última segunda-feira, 12, a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) publicou em suas redes sociais uma nota repudiando a cobertura feita pela TV Globo do Carnaval 2024. No comunicado, a entidade critica a escolha da emissora carioca em utilizar influenciadores como repórteres e as inúmeras falhas na transmissão.

Confira abaixo a nota na íntegra:

“Erros na transmissão, entrevistadores despreparados e desinformados e falta de detalhes foram algumas das reclamações feitas nas redes sociais pelo público que acompanhou os desfiles das escolas de samba pela televisão aberta em rede comercial neste Carnaval de 2024. Ao abrir mão de repórteres, a emissora detentora do direito comercial de transmissão deixou as/os espectadores sem informações cruciais sobre a festa.

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) enfatiza a importância essencial do trabalho jornalístico na cobertura deste evento tão importante para
a cultura nacional, pois os/as jornalistas trazem uma perspectiva histórica e social para o
trabalho, enriquecendo a compreensão pública do Carnaval.

Por meio de reportagens, análises contextuais e entrevistas, as/os jornalistas oferecem ao
público uma visão abrangente das tradições, dos desafios e das transformações do
Carnaval. Além disso, destacam-se as questões sociais e políticas que permeiam essa celebração, proporcionando uma reflexão crítica sobre seu impacto na sociedade.

Neste sentido, a FENAJ exorta o público a reconhecer o valor inestimável do jornalismo na promoção da informação precisa e na preservação da memória coletiva. Ao valorizarmos o
trabalho das/dos jornalistas durante o Carnaval, fortalecemos não apenas a liberdade de
imprensa, mas também a nossa compreensão mais profunda das complexidades culturais e
sociais que moldam essa festividade tão emblemática.”

Compartilhe esses posts nas redes sociais:

Leia mais

Ibope de rádio: sigam os líderes

A mais recente pesquisa Kantar Ibope de rádio, considerando os meses de maio e junho, mostra que as líderes não foram incomodadas em suas posições.