11.5 C
fpolis
11.5 C
fpolis
sexta-feira, 20 maio, 2022

Gargalhada Macabra

Últimas notícias
Gargalhada Macabra
Flávio diz que Bolsonaro receberia anúncio de indiciamento com gargalhada. Foto Divulgação/ TV Senado

Mais de 604 mil mortes e 20 meses depois do início do pesadelo que está sendo a pandemia, o Congresso, que assistiu inerte e aos abusos e a enxurrada de notícias falsas que prejudicam o combate ao coronavírus, começou a leitura do relatório da CPI da Covid-19. Mas o aviso do desastre foi anterior a isso. Os abusos e as notícias falsas também. O Congresso viu também inerte o atual Presidente Jair Bolsonaro acumular outro recorde: mais de 1550 pessoas e mais de 550 organizações assinaram pedidos de impeachment. Foram enviados 139 documentos ao presidente da Câmara dos Deputados, sendo 87 pedidos originais, 7 aditamentos e 46 pedidos duplicados. Até agora, apenas 6 pedidos foram arquivados ou desconsiderados. Os outros 133 aguardam análise.

 

O relatório final da CPI da Covid-19 no Senado vai pedir aos órgãos públicos o indiciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), por 9 crimes e ainda inclui ministros, ex-ministros, filhos do presidente, deputados, médicos e 2 empresas.  A votação do texto final acontece no dia 26 de outubro. Ele fez as pessoas acreditarem e usarem medicamentos sem eficácia contra covid-19, foi contra o uso de máscara, as medidas de distanciamento social, desacreditou a vacina e levou muitas pessoas a acreditarem em cada uma de suas defesas, a se iludirem com a falsa proteção.

 

Independente dos desdobramentos do relatório, os resultados do combate a pandemia sob a liderança do Presidente Jair Bolsonaro são catastróficos. A reação do filho Flávio Bolsonaro ao ser questionado sobre as reações do pai dele ao relatório, simbolicamente representa a falta de senso de responsabilidade e de zelo as milhares de pessoas que perderam seus entes queridos, que perderam a forma de sustento da família, ou aqueles que hoje passam fome, ao som de uma gargalhada macabra disse “Olha, eu acho que ele receberia [as acusações] da seguinte forma, você conhece aquela gargalhada dele? [Gargalha] Porque não tem o que fazer de diferente disso. É uma piada de muito mau gosto”.

 

São muitas as reações possíveis a uma injustiça, mas geralmente quem é acusado injustamente por algo não ri, mas fica indignado.  A gargalhada macabra é só mais um indício de que a pandemia virou piada nesse mundo paralelo que negou as medidas de combate ao coronavírus e está afundando a economia do país. Dizem quem ri por último ri melhor, porém milhares de pessoas não poderão rir porque foram silenciadas durante a pandemia e esse peso por si só já é macabro para quem ri das desgraças alheias.

Janine Alves
Graduada em Economia e doutora em Gestão do Conhecimento, faz parte do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Conhecimento, Aprendizagem e Memória Organizacional (Interdisciplinary research group on knowledge, learning and organizational memory), núcleo de excelência em pesquisa científica e tecnológica, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC/UFSC). Trabalhou como: professora da UFSC e Univali, colunista de economia do Grupo RIC Record (Jornal Notícias do Dia e Ric Record TV) e analista de economia na RBS - TV/ NSC - Diário Catarinense, Consultora de Economia Internacional para a CIP Cosultores – Espanha, Diretora do Escritório do Governo da Galicia/Espanha no Brasil, Diretora de Integração Internacional e Consultora de Economia do Governo de Santa Catarina (Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Assuntos Internacionais), etc.
Mais notícias para você
Últimas notícias

Congresso ACAERT tem início neste domingo com palestra de Hamilton Mourão

O 18º Congresso Catarinense de Rádio e Televisão, que a Acaert - Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e...
.td-module-meta-info { font-family: 'Open Sans','Open Sans Regular',sans-serif; font-size: 14px !important; margin-bottom: 7px; line-height: 1; min-height: 17px; } .td-post-author-name { font-size: 14px !important; font-weight: 700; display: inline-block; position: relative; top: 2px; }