Janeiro 12, 2021

João Amin critica pepistas no governo

João Amin critica pepistas no governo
BRUNO COLLAÇO/AGÊNCIA AL

Em mensagem encaminhada aos filiados do Progressistas no Estado, o líder da bancada na Assembleia, deputado João Amin, criticou fortemente o fato dos colegas Altair Silva e José Milton Scheffer terem aceito posições de destaque na administração do governador Carlos Moisés da Silva (PSL), muito além de contar com o apoio da bancada em plenário.

Sem o anúncio oficial ainda, Altair será o novo secretário de Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, e Scheffer, o que já era mais do que esperado, o novo líder do governo Moisés na Assembleia.

No relato, João Amin se diz surpreso pelo fato dos dois parlamentares aceitarem os convites e completa com a crítica de que “me espanta fazermos parte de um Governo que atacou tanto a política e os políticos, se montou com pessoas desqualificadas, ditas ‘técnicas’, e fez um segundo ano de mandato desastroso”.

Amin mantém a coerência vista em poucos parlamentares, antes devotados adversários pela causa de destituir o governador do cargo, hoje fiéis acompanhantes em agendas de Moisés pelo interior do Estado, embora Altair, e Scheffer adotaram sempre posturas muito mais moderadas.

 

Não engoliu

De fato, Amin esteve sempre contra a retórica e muitas das ações de Moisés, tanto que foi integrante da CPI dos Respiradores, com atuação destacada, e na presidência da Comissão Especial do primeiro impeachment.

Em plenário e nas comissões, o deputado sempre esteve entre os mais enfáticos contra o que qualificou de desmandos da administração estadual. Leia na íntegra o documento:

 

“Prezados amigos Progressistas,

O motivo desta carta é externar minha opinião sobre o nosso rumo. Bom navegador, independente do vento, sabe aonde quer chegar.

Recebo, com nenhuma surpresa, a notícia que o Governador Moisés quer a contribuição de dois Deputados do nosso partido para o seu Governo. As funções de Líder do Governo e Secretário de Agricultura são importantes e contariam com dois excelentes quadros políticos do nosso time.

A surpresa, ou espanto, seria o nosso “aceite” para essa missão. Óbvio que omissão não faz parte do nosso vocabulário. O nosso Estado de Santa Catarina está acima de tudo. Porém, me espanta fazermos parte de um Governo que atacou tanto a política e os políticos, se montou com pessoas desqualificadas, ditas “técnicas”, e fez um segundo ano de mandato desastroso. A suspeita compra dos respiradores é apenas um capítulo desta triste novela.

Com relação a minha atuação na ALESC, continuarei exercendo o papel que as urnas me obrigam. Atuando com independência e votando a favor do Estado e, não do Governo, nas propostas que acredito boas para os catarinenses.

Um abraço, João Amin”

 

Crise, talvez!

O descontentamento de João Amin fará diferença na bancada se o primeiro suplente, deputado Silvio Dreveck, ex-presidente da Assembleia, assumir com uma visão contrária ao governo.

Caso isso não ocorra, Amin poderá ficar sozinho enquanto os “bombeiros”, que não os militares, vierem apagar as fagulhas de um incêndio político maior. O certo é que o deputado não mudará sua posição.

 

Nome certo

Altair Silva, que substituirá Ricardo de Gouvêa na Agricultura, nome dos mais discretos na administração de Carlos Moisés e ligado à vice-governadora Daniela Reinher, é um oestino com grande relacionamento no setor da agroinsdústria, a partir da base em Chapecó.

Gouvêa é nome forte e respeitado no setor do cooperativismo e, na opinião de quem acompanhou a trajetória de dois anos de governo, manteve-se nesta condição no setor público.

 

Mais gente

É esperado para qualquer momento o anúncio do deputado Luiz Fernando Vampiro (MDB) na Educação, em substituição a Natalino Uggioni, um técnico vindo da iniciativa privada, que fez uma grande gestão mas esbarrou no não atendimento das inúmeras demandas de deputados. Também deve sair a fumacinha branca do novo titular do Desenvolvimento Econômico Sustentável em direção ao deputado Valdir Cobalchini, relator do outro processo do impeachment dos respiradores na Comissão Especial.

Moisés entrou no jogo de mudar o perfil da administração, muito mais política, exceto na Administração, Fazenda, Casa Civil e Procuradoria Geral do Estado, seus nomes-chaves e fora das pretensões dos parlamentares e partidos.

 

Delicado

No caso de Vampiro, atual líder do partido, a situação é mais delicada, já que ele foi o relator da Comissão Especial que pediu o impeachment de Carlos Moisés e Daniela Reinehr no caso da equiparação dos salários dos procuradores do Estado com os da Assembleia, além disso o MDB decidiu não participar com cargos no governo.

Tudo o que Vampiro disse durante o julgamento, que afastou Carlos Moisés e poupou a vice, em tom bastante irritado, parece ter sido esquecido ou foi empurrado para debaixo do tapete. Um dia sai! 

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 35 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, editor-chefe, chefe de Redação, gerente e diretor de Jornalismo na RBS TV (Blumenau e Florianópolis), hoje NSC TV; na TV Record (Florianópolis) e na Rede TV Sul (hoje SCC SBT); comentarista na RIC TV (hoje NDTV) e na Record News; editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia (ND). Atuou nas rádios União AM e FM (Blumenau e Florianópolis) e na Rádio Record da Capital. Atualmente, além do Making Of, faz comentários na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e é diretor de Conteúdo na TVBV (Band).
  • Youtube

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!