18.5 C
fpolis
18.5 C
fpolis
domingo, 29 maio, 2022

Maternidade, paternidade e segredos de família

Últimas notícias

[ad_1]

Maternidade, paternidade e segredos de família

Will Smith, Saniyya Sidney e Demi Singleton em King Richard/divulgação

Finalmente vi o tão esperado filme de Pedro Almodóvar, “Madres Paralelas”, mencionado várias vezes na coluna ao longo dos últimos meses. Resumidamente: gostei muito, claro, mas não vai para o pódio dos meus “cinco favoritos” de Almodóvar. Preferi buscar outros olhares e pedi a alguns amigos para escreverem brevemente sobre a película.

Se você viu e quiser acrescentar seu comentário é só enviar o texto para bridepoli@gmail com a palavra MADRES no assunto.

Boa leitura!

_________________________________________________________________________

 

Sobre Madres Paralelas:

Madres Paralelas possui todos os elementos que um fã de Almodóvar deseja em uma película dele: as cores exuberantes estão lá, compondo ambientes tão sofisticados quanto as reviravoltas melodramáticas de sua trama.

Ao acompanharmos as tensões que o destino imputa sobre duas mulheres que se conhecem no quarto da maternidade, visitamos um jogo em que as omissões, as mentiras e as verdades vão também nos apresentando a uma terceira “mãe” – a pátria, a Espanha. A imagem final do filme reforça esse aspecto; isso na minha humilde opinião, de quem também reconhece que esse não é um dos filmes magistrais do diretor, embora seja ótimo. (Vicente Concílio, ator e professor de artes cênicas)

*** 

Emocionou-me muito – e esse, creio eu, é o grande trunfo de Almodóvar: emocionar sem forçar sentimentos. É um filme sobre o perdão das coisas que fogem ao nosso controle- e de não deixar o passado sem um desfecho. Não é o meu Almodóvar favorito…Mas me lembrou muito “Julieta” no ritmo, no olhar. (Robertson Frizero, escritor, poeta e dramaturgo)

***

Adoro Almodóvar e a história espanhola está entre as minhas prediletas. Seria difícil o filme não agradar. Almodóvar nos apresenta Janis, Ana e Teresa, vidas cruzadas ao acaso, mulheres que encaram aspectos distintos da maternidade solo. Um belo filme. Esse é o momento presente. Quando Almodóvar nos traz as “madres” do passado o filme assume ares de obra-prima. Lá vem uma bela e sensível homenagem às mulheres que perderam seus homens para a ditadura franquista. Além de mantenedoras de suas famílias, elas foram responsáveis pela historiografia oral que manteve vivo esse capítulo da vida espanhola, que oficialmente vem sendo negligenciada. Por causa dessas mulheres se estabeleceu em certos “ pueblos” um sentimento de ancestralidade feminina, cujo vínculo com a terra, a família e a história é muito forte. A última cena do filme é memorável. Simplesmente amei. (Elisa Lima – cinéfila)

_________________________________________________________________________

 

FILMES

King Richard – Criando campeãs – direção: Reinaldo Marcus Green – 2022- HBO

O filme conta como o pai de Venus e Serena Williams fez delas duas das maiores atletas da história. Guardadas as devidas proporções, a história lembra um pouco o brasileiro “Dois filhos de Francisco” quanto à obsessão de um homem em mudar a vida dos filhos e dele mesmo. No caso de Richard Williams, um homem negro e pobre que traçou um plano para as filhas desde que nasceram. E ele foi bem ambicioso quando escolheu o tênis, um esporte majoritariamente de brancos.  Não sou muito fã de histórias de superação, mas o filme é simpático e a sequência final – para mim longa demais – vai fazer a alegria dos amantes do tênis. É quando Venus joga sua primeira partida profissional com ninguém menos que a espanhola Aranxa Sanchez.

Will Smith está muito bem no papel, talvez o melhor de sua carreira, e ganhou o Globo de Ouro por ele. Só espero que não tire o Oscar de Benedict Cumberbatch em “ Ataque dos cães”, meu favorito este ano.

Um detalhe: Sabrina Williams, filha do primeiro casamento de Richard, detestou o filme porque o roteiro omitiu que o pai dela abandonou a mulher e quatro filhos. Segundo ela, o pai saiu dizendo que ia comprar uma bicicleta e nunca mais voltou para casa. Tempos depois ele casou com Oracene, mãe de Venus e Serena.

 

Berlim, eu te amo – direção: vários – 2019 -Prime Vídeo

O filme faz parte da franquia “Cities of love” que, depois de Paris, Xangai, Nova York, Rio, centra agora na capital da Alemanha. São dez contos românticos, com um elenco incrível: Helen Mirren, Keira Knightley, Diego Luna e Mickey Rourke. Bom para distrair e fugir um pouco das notícias do nosso insensato mundo.

 

Perdas e Danos – direção:  Louis Malle – 1992 – Belas Artes à la carte

Saindo da leveza de Berlim, esse clássico é um soco no estômago. Jeremy Irons interpreta um político britânico que tem um caso tórrido com a noiva do próprio filho, vivida pela maravilhosa Juliette Binoche. O desejo não reprimido, com fortes cenas eróticas, traz…perdas e danos para todos. Miranda Richardson foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo papel da esposa traída. Grande filme.

***

 

SÉRIES

Ninguém pode saber – 1ª Temporada – Netflix

Para quem gosta de suspense, essa série “Pieces of her”(título original mais interessante) que estreia dia 04 de março, é uma grande pedida. O elenco traz a premiada Toni Collette, David Wenham, Bella Heathcote, Jessica Barden. A trama se passa em uma pequena e tranquila cidade da Geórgia. Um ato aleatório de violência desencadeia uma série de eventos para Andy e sua mãe Laura, personagem de Collette. Como diz a sinose: desesperada por respostas, Andy cruza os Estados Unidos em uma perigosa jornada e acaba se deparando com terríveis segredos de sua própria família.

 

O jovem Wallander – 2ª temporada – Netflix

Wallander é um personagem famoso do escritor sueco de livros policiais , Henning Mankell. O detetive já ganhou duas séries, uma com Kenneth Branagh e outra do país de origem do personagem, ambas disponíveis em streaming.

Esta  versão da Netflix traz um Kurt Wallander jovem, iniciando na carreira.Para quem viu a 1ª temporada: a segunda segue Kurt e Frida na Malmo dos dias modernos, enquanto eles se unem para decodificar dois assassinatos com oito anos de diferença. Kurt procura conexões entre os dois casos, mas sua investigação gradualmente sai do controle.

A produção da 3ª temporada já foi aprovada.

 

Morador Indesejado – minissérie – Netflix

Entra no dia 1° de março a série documental, em cinco episódios, sobre os casos de pessoas que dividem a casa com companheiros aparentemente normais, mas que vão aos poucos se revelando  mal-intencionados e até violentos. São quatro histórias verídicas assustadoras de quem escolheu mal o sublocador de sua casa.

_________________________________________________________________________

 

EXTRA

– Análise de “Ataque dos Cães”

Para quem curte ouvir podcast e gostou de “Ataque dos Cães”, da Jane Campion (Netflix), uma boa análise do filme está nesse episódio de CultLab.

– Conversas FAM de Cinema: inscrições abertas para palestras gratuitas com personalidades do cinema brasileiro

Em março a Panvision, realizadora do Festival Internacional de Cinema Florianópolis Audiovisual Mercosul – FAM, promove as Conversas FAM de Cinema, uma formação on-line com personalidades que fazem parte da história do festival e do audiovisual brasileiro.

As palestras gratuitas serão em todas as segundas-feiras de março, das 20 às 21 horas, começando com a agente de vendas Denise Jancar, que fala sobre Distribuição no dia 7; Allan Deberton, diretor de “Pacarrete”, aborda o tema Direção dia 14; aspectos da Produção serão apresentados por Letícia Friedrich, da Boulevard Filmes, no dia 21, e fechando o circuito, o cineasta e roteirista Orlando Senna fala sobre Roteiro dia 28. Cada um deles vai falar sobre o contexto de suas trajetórias, como é a profissão, as dificuldades e as principais realizações.

As palestras por videoconferência terão duração de 1 hora cada uma, em tempo real, com interatividade entre participantes e ministrantes. As inscrições são gratuitas e a participação se dará por ordem de chegada, com vagas limitadas.

As inscrições estão abertas aqui

_________________________________________________________________________

THE END

*Fotos: reprodução/divulgação

[ad_2]

Source link

Brígida Poli
Jornalista, cinéfila desde criancinha e maníaca por séries de TV desde "Os Sopranos". Não se considera crítica de cinema, pois não consegue deixar o coração de lado na hora de avaliar um filme. Adora falar e escrever sobre o assunto e tenta chamar a atenção para as grandes obras cinematográficas que as novas gerações desconhecem. Concorda com o mestre Federico Fellini quando ele disse que "o cinema é um modo divino de contar a vida".
Mais notícias para você
Últimas notícias

Jesse Koz e Shurastey serão homenageados com pintura e dog park em BC

O influenciador Jesse Koz e o cão Shurastey, que morreram em um acidente de trânsito nos Estados Unidos, na...
.td-module-meta-info { font-family: 'Open Sans','Open Sans Regular',sans-serif; font-size: 14px !important; margin-bottom: 7px; line-height: 1; min-height: 17px; } .td-post-author-name { font-size: 14px !important; font-weight: 700; display: inline-block; position: relative; top: 2px; }