14.4 C
fpolis
14.4 C
fpolis
quarta-feira, 18 maio, 2022

MDB reinento se reúne para decidir o futuro

Últimas notícias
MDB reinento se reúne para decidir o futuro
DIVULGAÇÃO

O MDB se reúne nesta segunda (6), em Florianópolis, para decidir que não irá aguardar a prévia dia 15 de fevereiro, cada vez menos desejada, para fechar questão sobre nomes ao governo em 2022, situação que gera instabilidade interna e deixa o partido “reinento”, na opinião do ex-governador e ex-presidente da sigla Eduardo Pinho Moreira, atual diretor Financeiro do BRDE, declaração feita em Criciúma (foto abaixo).

Passou da hora, na avaliação da maioria dos integrantes da sigla, e prorrogar a espera significará perder quadros para outras siglas e aumentar divisões internas, o que, de antemão, garante um clima tenso ao encontro deste segunda.

A reunião será dividida em dois momentos: a cúpula se reunirá com as bancadas estadual e federal; depois, a executiva estadual deve definir entre outros pontos os caminhos a seguir.

À mesa estarão as possibilidades reais de seguir com o senador Dário Berger ou com o prefeito Antídio Lunelli ou com o deputado Celso Maldaner – cuja especulação é a de que desistiria em favor do mandatário reeleito em Jaraguá do Sul – ou apoiar o governador Carlos Moisés à reeleição.

Em uma das hipóteses, Moisés viria para o MDB ou escolheria outro partido e indicaria um vice emedebista de porte, o que ajudaria na composição com outras siglas pela vaga ao Senado.   

Um dos nomes mais cotados para esta engenharia seria o do presidente da Assembleia, deputado Mauro de Nadal.

 

De partida

Indefinição no MDB gerará uma debandada em breve.

Fala-se, e não é a primeira vez, na saída do senador Dário Berger, que optaria, entre outras siglas pelo PSB, o que, se confirmado, fará com que o ex-prefeito de São José e Florianópolis, depois de passar pelo PFL, à direita, vire um aliado e “militante” de esquerda, com o apoio ao pré-candidato ao Planalto Luiz Inácio Lula da Silva.

Na história, os Berger já foram muito próximos de Lula, principalmente o ex-deputado estadual e federal e prefeito de São José Djalma, que presidiu o PSB no Estado, à época sem toda esta pinta de retorno às raízes de esquerda, embora tenha dado uma secretaria à jornalista Lurian Lula da Silva, filha do ex-presidente.

 

JULIO CAVALHEIRO/SECOM

MOISÉS APRENDEU A LIÇÃO

Direto de Quilombo, no Oeste do Estado, onde anunciou recursos para a melhoria do complexo turístico das cataratas, na comunidade de Salto Saudades, o governador Carlos Moisés da Silva foi registrado em uma foto com os deputados emedebistas Mauro De Nadal, presidente da Assembleia, e Valdir Cobalchini em tom apoteótico. Isso não passaria de uma gentileza se não fosse poucas horas antes da decisão do partido sobre a eleição de 2022 e ambos não figurassem como um eventual vice na chapa e um coordenador de campanha. Moisés que fazia coro à nova política quando eleito e no primeiro ano de administração, descobre que a arte de conversar e compor é necessária para garantir governabilidade, além de pavimentar projetos políticos. Na mesma agenda oestina, estava o presidente Celso Maldaner, um dos emedebistas mais difíceis de decifrar neste momento. Na mesma linha de que estar próximo e conversar não retira a legitimidade ideológica ou conceitual de um governador, Moisés foi ao aniversário do presidente estadual do Podemos, o ex-prefeito de Palhoça Camilo Martins (foto abaixo), em Santo Amaro da Imperatriz, festa tripla que reuniu as comemorações também do pai, o deputado estadual Nazareno, e do irmão Diego. Um encontro político que também contou com a participação do prefeito Gean Loureiro (União Brasil), de Florianópolis. O Podemos é cortejado e já esteve entre os que seriam o caminho natural de filiação do governador.

Em Brasília

Na semana passada, na Capital Federal, Moisés reuniu-se como senador Álvaro Dias (Podemos-PR), com a deputada federal Geovânia de Sá, presidente estadual do PSDB, e teve uma agenda secreta, que seria com representantes graduados de uma sigla que representaria, agora, o plano A para a filiação.

Tudo isso, na semana em que Jair Bolsonaro chegou ao PL e mudou a perspectiva falaciosa de que era possível esperar o fim de março do ano que vem para definir o novo endereço partidário.  

 

Aliás

Foi de Brasília, na última quinta (1°), que Moisés foi o primeiro a ligar para o recém-eleito presidente do Tribunal de Justiça, desembargador João Henrique Blasi.

Quem acompanhou os processos de impeachment contra Moisés, sabe que, volta e meia, usavam o nome de Blasi para citar um lado ou outro da causa, provavelmente sem ouvir o magistrado.

 

Confirmado

O presidente nacional do PSD, o ex-prefeito de São Paulo e ministro Gilberto Kassab, dará uma coletiva na Assembleia, às 15h30min, para falar de 2022.

Kassab e o presidente do Senado Rodrigo Pacheco, pré-candidato à Presidência serão recepcionados pela cúpula pessedista em Santa Catarina, às 17h, na Arena Petry, em São José, em encontro que pretende lançar candidatos a deputado estadual e federal, mas, acima de tudo, confirmar que o partido terá candidatura ao governo, na presença dos pré-candidatos João Rodrigues, Napoleão Bernardes e Raimundo Colombo.   

Nos últimos dias, subiu a cotação do prefeito de Chapecó, cortejado mais fora da legenda, do que nas hostes pessedistas.

 

DIVULGAÇÃO/OAB

MAIS VOTADO

Entre os 12 advogados que garantiram a passagem para a próxima fase da escolha do desembragador junto ao Tribunal de Justiça pelo quinto constituicional da OAB, o doutor em direito Marcos Fey Probst obteve a única unanimidade dos integrantes do Pleno da entidade, depois de passar por uma sabatina, na última sexta (2). Probst, que é reconhecido pela capacidade técnica e profissional, ganhou notoriedade com as defesas do governador Carlos Moisés nos dois processo de impeachment. Os demais escolhidos, que disputam uma vaga na lista sêxtupla, que será determinada em votação direta e online por todos os membro da Ordem no Estado, foram: Ildo Portz (OAB/SC 6317) – Joaçaba; Romualdo Paulo Marchinhacki (OAB/SC 9430) – Blumenau; Walmor Carlos Coutinho (OAB/SC 8229) – Tubarão; Ricardo Hoppe (OAB/SC 13801) – Pinhalzinho; William Marcelo Borges Piva (OAB/SC 20534) – Joinville; Paulo Roberto Amado Junior (OAB/SC 25777) – Brusque; Marcos Luiz Rigoni Junior (OAB/SC 8380) – Florianópolis; Fabio Schutel Lacerda (OAB/SC 22632) – Florianópolis; Giovani de Lima (OAB/SC 13099) – Joinville; Soraia Peters Formentin (OAB/SC 25960) – Tubarão; e Herland Fernando Chavez (OAB/SC 18965) – Indaial.

Roberto Azevedo
Roberto Azevedo tem 37 anos de profissão. Estudou jornalismo na UFSC, de Florianópolis, e direito na FURB, de Blumenau. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, chefe de Redação, editor-chefe, gerente e diretor de Jornalismo, na RBS TV de Blumenau e Florianópolis, na TV Record de Florianópolis, na Rede TV Sul! e na TVBV (Barriga Verde, BAND); comentarista na RIC TV Record e na Record News, e colunista no Diário Catarinense (onde também foi editor de Política) e no Notícias do Dia, tendo blogs nas versões digitais das edições. Atuou nas rádios União de Blumenau e União FM de Florianópolis, e na Rádio Record da Capital catarinense. Além de ter uma coluna no Portal Making Of, desde setembro de 2016, faz comentários sobre política e economia na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e na TVBV (BAND), de Florianópolis.
Mais notícias para você
Últimas notícias

Globo demite chefe de jornalismo citado em investigação do MP

A Globo demitiu ontem, 17, Tyndaro Menezes, premiado chefe do núcleo de jornalismo investigativo da emissora. Ele atuava há...
.td-module-meta-info { font-family: 'Open Sans','Open Sans Regular',sans-serif; font-size: 14px !important; margin-bottom: 7px; line-height: 1; min-height: 17px; } .td-post-author-name { font-size: 14px !important; font-weight: 700; display: inline-block; position: relative; top: 2px; }