Novembro 23, 2020

Merchandising na televisão tem que ser bom para todos

Merchandising na televisão tem que ser bom para todos
Reprodução

O mercado dá sinais de recuperação no final de um ano extremamente difícil. A pandemia mudou parâmetros. No início, os veículos perderam clientes; no segundo momento, fizeram propostas diferenciadas para recuperá-los, com tabelas revisadas; e agora, os negócios estão voltando.

Percebe-se que há uma acomodação, mas vai levar algum tempo. Há formatos diferenciados de comercialização, com duas variações em uso que requerem atenção: matérias patrocinadas dentro dos espaços editoriais e merchandising.

No primeiro exemplo, às vezes não fica claro que se trata de conteúdo comercial. O telespectador não gosta de mensagens escondidas. Para ele, tudo deve ser claro. 

E o merchandising, deve ser bom para todos: para o cliente, para a emissora e para o apresentador, que não pode validar mensagens que destoem da sua imagem.

Nesse aspecto, algumas intervenções dentro do SBT Meio-Dia não atendem todos os itens, inclusive na posição no roteiro. Na quinta-feira, dia 19, Making Of observou que a apresentadora Maria Ester fez um comercial ao vivo, logo em seguida, rodou o intervalo comercial normal e na volta ela fez outro merchandising. Nesse caso, o produto ficou muito tempo fora do ar, o que pode levar ao desestímulo da audiência.

Hoje, 23, ela fez dois textos para clientes e chamou comerciais de 30 segundos, antes do comentário de Cláudio Prisco. Foi menos exposição que o exemplo anterior, mas chamou atenção mais pelo tempo do que o conteúdo.

O roteiro do SCC está quase no ponto de não levar em conta uma das leis mais fortes do mercado, que diz que audiência e credibilidade é que seduzem clientes e consumidores.

Tags:
multimidia claiton selistre bastidores comunicação TV rádio jornal
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Claiton Selistre

Claiton Selistre

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi diretor de Jornalismo por 25 anos da RBS TV, TVCom e Rádio CBN/Diário em Santa Catarina. Antes atuou na  Rádio e TV Gaucha do grupo RBS e em redações de jornal, rádio e tv do grupo Caldas Jr. em Porto Alegre. Foi também repórter da na Sucursal do Jornal do Brasil. Planejou e Coordenou coberturas multimídia nas Copas do Mundo de Futebol na Alemanha, Argentina, Espanha, México, Itália, Estados Unidos, França e Japão/Coréia. Dirige a Making of há seis anos.

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!