19.1 C
fpolis
19.1 C
fpolis
quinta-feira, 7 julho, 2022

Moda de politizar tudo

Reprodução
Últimas notícias

1 – Moda de politizar tudo

Algumas campanhas dos politicamente corretos confrontam culturas religiosas, como a que foi divulgada na rede social como um fake de que Inter e Grêmio iriam, neste próximo domingo, fazer uma homenagem ao Orgulho LGBT. Como? Se em todos os estádios de futebol sentam patrão e empregados, pobres e ricos e ninguém pergunta ao cara sentado ao teu lado se ele é gay ou não. Como irá reagir um jogador mulçumano? Amanhã, se a campanha for feminista a favor do aborto, como irão reagir os jogadores católicos e evangélicos? Todos tentam ser felizes e esquecem-se da realidade. O resto é ilusão, sonho. O futebol tentou ser apolítico, não conseguiu. Agora se deixa levar pelas causas dos outros e esquecem as suas: a violência. Nestas campanhas há embutido a contínua tentativa de fazer com que o outro goste; e espero que não apareça uma a favor do maracujá: eu não gosto!

2 – Violência

Que tal começar uma campanha aceitando que outro torça pelo contrário, que ele sente ao seu lado vestindo a camisa do “adversário”. O futebol aceita fazer campanhas para os outros enquanto que os torcedores não podem sentar um ao lado do outro porque usam camisas diferentes. Que tal?

3 – Do outro lado

Jonathan, ex jogador do Avaí, vindo do Internacional, hoje contratado pela Chapecoense, virou o inimigo público do número um da torcida avaiana.

4 – Final da Champions

Será depois de amanhã, sábado, dia 28, em Saint-Denis, mas continuam dizendo que será em Paris. Não será. É como confundir São José com Florianópolis. O jogo será em Saint-Denis, que é outra cidade ao lado de Paris. Por falar nisso, o treinador do Liverpool, Jürgen Klopp, afirmou que quem quer ser campeão na Europa, mais cedo ou mais tarde, terá que passar pelo Real Madrid. É como vencer 13 vezes a Champions!

5 – Futebol na TV

Sábado, os canais de televisão abertas e por assinatura irão transmitir os jogos: Figueirense x Ferroviário pelo brasileiro da terceira divisão e Real Madrid x Liverpool pela decisão da Champions. Você que gosta de futebol, vai assistir a qual jogo?

6 – Coração Partido

Nesta quinta, dia 26, às 19h, jogam Vasco x Brusque, um adversário ao qual a cidade torcia unida pelo Vasco por causa do goleiro Valdir Appel, nascido em Brusque, e que defendeu o time carioca por muitos anos.

Reprodução

7 – Torcedores

Que se dizem participantes de organizadas (hooligans ou ultras) estão no futebol para brigarem e vandalizarem o patrimônio adversário. Pouco se importam com o futebol. Lamentável que dirigentes e patrocinadores alimentem gente deste tipo.

8 – Tênis e Roland Garros

O torneio de tênis de Paris, o Roland Garros, está ligado a Ilha pelas conquistas do Guga Küerten. A novidade deste ano é a presença de Carlos Alcaraz, um prodígio espanhol. Além disso, chamou-me a atenção que nenhum atleta pode mostrar a marca de outra bebida que não seja a patrocinadora da competição. Observem que as garrafas colocadas ao lado das bolsas dos tenistas não apresentam nenhum rótulo ou marcas.

9 – No futebol ao contrário

As camisas dos clubes servem de vitrine para várias marcas, sem nenhum objetivo a não ser arrecadar um dinheirinho a mais sem nenhum planejamento ou estudo de marketing. O leitor Sergio Abraham, ex-jogador de futebol de salão do Colegial e de campo do Figueirense, mostrou-se indignado e colou a foto da camisa do Operário de Ponta Grossa com o título: “Uma vergonha para o futebol”, com o qual concordo.

Reprodução

10 – Do meio

Maurício Sobrinho era do meio. Para ele uma empresa de comunicação era um negócio e não um instrumento político partidário. Chegou a Santa Catarina nos anos 70, do século XX, e montou televisão, rádio, jornal e site derrubando os “políticos” do meio. No futebol também começaram a aparecer gente do meio como Textor e Ronaldo que chegam para ganhar dinheiro e não para fazer política para agradar crônica e torcidas.

11 – Proibição

Polícia do Recife proíbe torcedor de levar ao estádio um rádio portátil, que costumam atirar no bandeira, árbitro ou adversários. Mas há quem pense que a graça de ir ao um estádio está em reunir a turma, tirar fotos, publicar, levar e tocar tambor, desfraldar bandeira, pular e dançar até quando time é atacado, achando que espetáculo não está no gramado, mas sim na arquibancada. O futebol tem um foro próprio que como a justiça comum também não pune como deveria.

12 – Ainda os jogos dos clubes de SC

Na sexta-feira, as 21h30, o Criciúma enfrenta o líder da Série B, o Cruzeiro; no sábado, às 15h, será a vez do Figueirense jogar contra o Ferroviário pela Serie C; no domingo, às 19h, no Mineirão, o Atlético local espera o Avaí. A Chapecoense, a outra equipe de SC, jogou quarta, dia 25, contra a Ponte Preta, em Campinas e empatou em 0 a 0.

FIM.

Paulo Brito
Paulo Brito nasceu em Florianópolis, graduou-se em jornalismo na PUC RS em 1972, mas desde 1971 exerce o ofício de comentarista esportivo, tendo trabalhado em jornais, rádios e televisões nas praças de POA, SP, BCN e FLN. Foi professor do IEE: - Instituto Estadual de Educação e no Colégio Catarinense, profissão que o levou a UFSC: - Universidade Federal de Santa Catarina onde permaneceu até 1998. Foi membro da Comissão que criou o Curso de Jornalismo na Federal de SC.
Mais notícias para você
Últimas notícias

“Tóxico” – por Tatiana Cobbett e Samí Tarik

Nasce o novo single da multiartista Tatiana Cobbett em parceria com o músico, percussionista e compositor, Samí Tarik. O...
.td-module-meta-info { font-family: 'Open Sans','Open Sans Regular',sans-serif; font-size: 14px !important; margin-bottom: 7px; line-height: 1; min-height: 17px; } .td-post-author-name { font-size: 14px !important; font-weight: 700; display: inline-block; position: relative; top: 2px; }