Janeiro 12, 2022

No ponto a ponto de Nara Lisboa

No ponto a ponto de Nara Lisboa
Foto: Divulgação/Felipe Arruda
O inverno já tinha chegado na Europa, era uma manhã gelada na França, com neve, pouco movimento nas ruas e muito aconchego dentro das casas. Foi assim que  ela descreveu o dia  na cidade onde mora, Montluçon, a 300 quilômetros de Paris. Uma cidade medieval, com cerca de 35 mil habitantes, na região central da França. Eu aqui em Florianópolis, feliz com o calor, mas imaginando a cidade descrita naquele momento pela brasileira Nara Lisboa e uma  vontade  de ver tudo de perto, conversar com ela olho no olho e beber vinho. Mas o papo  foi mesmo  por vídeo, bem longo, porque a entrevistada  especial da coluna da semana tinha muito o que contar. Nara  se mudou para a França há 20 anos, depois de muitos anos morando em Florianópolis, fazendo o que mais gostava, trabalhar com música, compor e interpretar, juntando muitos amigos e estabelecendo uma relação permanente com a cidade.  Antes, trabalhou na área de marketing  na então da RBS, onde fomos colegas e trocamos muitas experiências de vida.  Mas o marketing a impedia de  viver  em toda sua plenitude, largou tudo, pegou o violão e foi ganhar a vida como artista, algo que sabia seria uma jornada  cheia de desafios, aquela corrida de obstáculos, com quedas e vitórias que todo profissional da música conhece muito bem.
 
Nara Lisboa em Montluçon na França (Fotos: Divulgação)

 

Nara Lisboa  trouxe a música ao longo da vida, desde pequena o caminho já se desenhava em seu  futuro e para sempre. Uma especial parceria foi com o instrumentista  Renato Borghetti, de quem guarda belas lembranças sobre seu encantamento com o universo da música, especialmente com a Bossa Nova, estilo que uniu os dois em um projeto. Além da bossa nova, as composições de Nara vão do samba, choro, balada, rock ao blues. Música e letra surgem sempre juntas, algo que começou aos 15 anos de idade e que ela  define como "psicografia musicada".

Em Florianópolis,  foram  tempos de novos ares, ritmo de vida louco e  alguns devaneios. Mas no centro  estava a compositora, que gravou discos, fez shows, clipes e se manteve honesta com seu estilo de fazer sua própria história. Seu último show aqui  foi no começo da pandemia, em Santo Antônio de Lisboa, onde morou  por muito tempo e deixou seu legado de mulher  forte, livre, corajosa, ousada, sempre  alegre e motivada pela vida.

 

Show em Floripa - Santo Antônio de Lisboa (Foto: Divulgação)
 
 

Na França,  não é menos marcante a presença de Nara  Lisboa.  Nestes 20 anos  por lá,  pisou  em muitos palcos, cantando em português, inglês e francês, sempre compondo e cantando suas letras ou canções de parceiros, como as do ex-marido Bernardo  Brum, a quem a Nara guarda uma profunda gratidão por todo o apoio que recebeu dele para fazer  a vida na França acontecer. Juntos, trabalharam muito e chegaram a abrir um cabaré, que durou o tempo que precisava para eles se cansarem do ritmo que uma casa noturna exige.

Foram eles que criaram também uma associação de intercâmbio para facilitar o acesso de músicos brasileiros ao meio musical francês.

 

(Foto: Divulgação)

 
Depois de gravar o segundo disco, fazer o que mais amava, estar no ambiente que precisava para respirar,  sobreviver ficou mais complicado, porque o dinheiro não entrava. Foi então que Nara direcionou seu talento para outra arte, o tricô e o crochê, uma habilidade adormecida e que aprendeu com a mãe aos oito anos de idade.  Começou fazendo bolsas e depois outras criações exclusivas. Na trama das  lãs descartadas na região onde mora,  misturou tricô com crochê e nas diferentes cores de fios  e texturas, desconstruiu o tricô tradicional para criar o  que na moda é chamado de tendência. 
 
E tricotando faz coletes, echarpes, casacos, suéters e tudo mais que a imaginação da criadora  é capaz de fazer no ponto a ponto dos seus dias.
 
Tudo acontece em seu ateliê/casa, onde Nara hospeda viajantes e que não resistem em levar uma peça, algo que  acabou tornando o  trabalho  dela  conhecido  na Europa  e em outros continentes. O mundo digital também está à disposição e através de um aplicativo expõe e vende suas criações, que ela aproveita também para vender CDs de sua carreira musical, num diferenciado complemento  artístico. Aliás,  Nara Lisboa conta que a composição de  uma nova letra surge no ato de tricotar, assim como o inverso também é verdadeiro, parte de uma nova música pode estar num belo e colorido  casaco de lã, basta dar espaço para a imaginação que chega sem avisar.  No processo criativo, Nara  chegou  às colchas, que ela faz apenas para uma amiga fazendeira, porque  exige muito tempo, trabalho e  o mais importante, segundo ela, paciência de budista.
 
 

Peças em crochê e tricô de Nara Lisboa (Fotos Divulgação/@naralisboaknittinghandmade)
 
Voltando a música, Nara Lisboa  está preparando um novo trabalho com muitas letras em francês, com direção musical de seu  neto, Erick  Endres, guitarrista, que mora em Florianópolis. As gravações serão feitas  em março, se a pandemia permitir, no Armazém Sonoro, em Porto Alegre. 
 
E com a lucidez de quem  sabe onde moram os detalhes mais importantes da vida, Nara afirma " Fazer o trabalho com o meu  neto tem mais importância que uma plástica aos 71 anos de idade".
 
Nara tem uma música  em que diz " mamãe é muito louca", mas ela própria é uma  " vovó muito louca". Nesta mistura de vida, de quem corre  seis quilômetros  por dia, parou de fumar e só pensa em viver e criar, Nara  define assim sua  vida na  França: "La France m'a appris la patience et m'a donné une autre chance de recommencer. Apprendre et essayer de remplacer l'ego par l'amour de vivre en paix sans compétition ni solitude" - "A França me ensinou a paciência e me deu uma outra chance de recomeçar. Aprender e tentar substituir o ego pelo amor de viver em paz, sem  competição nem solidão".
 

Foto: Divulgação

 

Feliz eu sou em contar esta breve  história de uma pessoa malucamente especial. Tricotando, compondo e cantando, Nara Lisboa é aquela canção especial, iluminada, que em forma de mulher toca e  marca nossas vidas.

 
Até a próxima semana e mais uma história de pura beleza e talento.
 

@anselmoprada

Tags:
Gente lugares colunista making of anselmo prada
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Anselmo Prada

Anselmo Prada

Jornalista, produtor e gestor de conteúdo, pessoas e eventos. Foi repórter, editor, coordenador de reportagem, editor-chefe do Jornal do Almoço, chefe de redação da RBS TV e gerente de programação NSC/Globo em Santa Catarina. Além do jornalismo, desenvolveu e dirigiu diversos projetos de entretenimento para a televisão. Com carreira destacada na comunicação catarinense, se interessa com mais profundidade sobre o que fazem as pessoas, em todas as áreas, como elas mostram suas particularidades, desenvolvem seus projetos, criam oportunidades, oferecem ajuda aos outros e como estão inseridas dentro da imensa diversidade de um mundo cada vez mais plural. Um observador da vida, buscando histórias e percebendo o que existe de único e inspirador em cada pessoa ou lugar. No Portal Making Of traz semanalmente os destaques de gente e lugares que estão em conexão com o tempo e preparando o futuro. Contato: e-mail pradafloripa1@gmail.com, WhatsApp (48)99163-6710 e Instagram @anselmoprada.

  • Instagram

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!