Janeiro 28, 2021

Nossa Jogada

Nossa Jogada
Reprodução/YouTube

1 - Vendedor de Sonhos

Paulo Prisco Paraíso é um vendedor de sonhos. Na terça-feira ao lado de Norton Boppré reuniu torcedores, repórteres e através das redes sociais, rádios, televisões e jornais, como se pode reunir nesta época de forma virtual, para dizer que é possível remar contra a maré e trazer, novamente, o Figueirense onde ele e seus amigos levaram há 10 anos. Antes de findar a noite de terça-feira o destino decretou que o Figueirense iria, em 2021, disputar a Serie C. Ano em que o clube comemorará, em junho, o Centenário de fundação. Ele, Paulo Prisco Paraíso, foi eleito presidente em 1999. Permaneceu no poder por 10 anos quando o clube saiu do nada e esteve na Série A do futebol brasileiro por sete anos; conquistou seis títulos estaduais; foi vice-campeão da Copa do Brasil e campeão da Copa São Paulo de Juniores. Ele confessou na coletiva que não precisou aplicar 100% do orçamento no futebol profissional, como queria um dos conselheiros. Sem citar nomes revelou que entre eles havia um que não queria que fosse aplicado 30% nas categorias de base, na formação de jogadores. Jogadores que cresceram no CT da Palhoça, como Andre Santos, Felipe Santana, Felipe Luiz e Roberto Firmino que chegaram aos grandes clubes da Europa e a seleção brasileiro de futebol, engrandecendo o nome do clube. O conselheiro perfumado queria que contratasse nomes, bem recomendados como: Edmundo, Loco Abreu, Alecsandro, Cleber, Zé Roberto, Marcelinho Paraíba, Arouca... Deste um ou dois, como Edmundo valeram a pena. Época de revelar treinadores como: Murici Ramalho, Dorival Junior, Adilson Batista e Mario Sérgio. Quem sabe Jorginho que fica mais um ano. Há uma década PPP foi "apeado" de projeto vitorioso. Junto com Norton Boppré recolhe o lixo deixado depois que saíram, quando Nestor Lodetti liderou uma insurreição.  

 

2 - Vaidades levou à Série C

O Figueirense por questões políticas, de inveja e ciúmes perdeu uma década nestes 100 anos de existência. Uma década perdida, período em que dirigentes, não souberam manter o nível clube, por pura a vaidade cessaram o que vinha dando certo. A partir dai reinou o caos, retratado no WO de 2019 em Cuiabá quando os jogadores se negaram de disputarem o jogo pelo Campeonato Brasileiro da Série B. Veio a vergonha e escárnio. Os sócios, conselheiros e torcedores esqueceram que 85 deles votaram pela saída de PPP e apenas dois queriam que permanecesse. Depois de um mea-culpa, pediram, sem nenhuma vergonha, a volta de PPP ao comando do clube. A administração será de Norton Boppré. O objetivo é devolver ao clube prestígio, liderança, exemplos e conquistas.

 

3 – Historia

O Figueirense como clube viveu três períodos nestes 100 anos de existência, desde a sua criação, em junho de 1921, no Bairro da Figueira, junto ao porto e a docas de uma cidade que cultivava ainda os valores do Século XIX. O futebol na Ilha, sem ponte, era incipiente. No inicio, marcou época. Após a II Guerra entrou em declínio. O interior dominou as conquistavas dos títulos estaduais. Em 1972, período de mudanças radicais na Ilha, um Major do Exercito Brasileiro, filho de um ex-presidente de nome Ortiga, assumiu a presidência e "revolucionou" o futebol na Capital, arrastando com ele o Avaí. Naquele ano de 72, 14 anos depois, voltou a ser campeão estadual e no ano seguinte: 1973 tornou-se o primeiro clube catarinense a disputar o Campeonato Nacional de Futebol. Adormeceu. Com ele o Avaí, permitindo o interior tomar conta outra vez do protagonismo do futebol em SC. Até que em 1999 renasce das cinzas, graças a Paulo Prisco Paraíso, que atendendo um apelo do pai – Dr. Prisco Paraíso, assumiu a administração do clube. Durante 10 anos o Figueirense viveu um sonho.

 

4 - Ciúmes

Em 2009 o time caiu para a Segunda Divisão. Entre 1998 e 1999, PPP criou um Conselho de Gestão. Em 2004, a Figueirense Participações gerou o clube e seus negócios, como uma equação matemática. Em 2009, as estruturas jurídicas do clube e da empresa, não encontraram um novo modelo de gestão. Alguns Conselheiros não gostaram e o ciúme, junto com a inveja, e se insurgiram. Paulo foi afastado do comando do clube por 85 votos contra dois. A insurreição por Nestor Lodetti. Norton Flores Boppré, então presidente por seis anos, pediu afastamento. O início do caos, da vergonha e do insucesso. Começava o ano de 2010.

 

5 – Não agüentou

Dois anos. Nestor Lodetti renunciou em 2012, pressionado pela família, torcedores e oposição. O vice-presidente Odorico Durieux assumiu. Neste período o clube contratou Loco Abreu. Gerou uma onda de esperança. Após a renuncia, Wilfredo Brillinger, conterrâneo e amigo de Lodetti, assumiu a presidência do Figueirense até 2017.

 

6 – Desastre

Quando Wilfredo achou uma empresa de nome Elephant, dando-lhe poderes de comandar o clube. Não vingou! Foi um desastre! Neste período foi criada a Figueirense Ltda., uma parcela de 95% desta empresa foi vendida à investidores do setor privado, que deveriam realizar aportes financeiros. Estes aportes nunca chegaram. A Elephant teve três presidentes ou seriam donos? Alex Bourgeouis, Cláudio Vernalha e Cláudio Honigman não serão lembrados na festa do centenário. Em 2019 Cláudio Honigman atendendo os apelos de Francisco de Assis Filho, presidente do Conselho Deliberativo desfez o contrato de investimento e transferiram as atividades de futebol para o clube.

 

7 – A segunda queda

Em março de 2019, Norton Boppré voltou à presidência de um clube: sem jogadores, sem base, sem dinheiro, sem investimentos, sobrevivendo sem torcedores no estádio, em função da pandemia. Foi figura no Campeonato Estadual. No Brasileiro da segunda divisão agonizou até terça-feira, quando foi rebaixado de divisão. Neste dia, à tarde PPP e Boppré deram uma coletiva atendendo torcedores e no final a mídia, vendendo sonhos como os do inicio do século XXI.

 

8 – Desastre

Não acredito que o site oficial do Avaí F C tenha usado o espaço para "escachar" a queda do Figueirense para a Série C. Que deselegância. Uma falta de respeito a um parceiro na historia do futebol na Ilha e no Estado. Os torcedores há que se aceitar a "zoação", tenha tomada uma atitude tão "varzeana" e amadora.  Mas uma diretoria, a véspera as vésperas de definir seu futuro, tenha vindo a publico anunciar a negociação de um dos jogadores de destaque, neste final de campeonato, como o empréstimo de Rômulo ao futebol do Oriente Médio. Não era hora. Imagine como "fica" a cabeça de um jogador, sabendo que no dia após uma decisão que tenha que dar tudo, ele estará viajando, deixando o clube para trás?

 

9 - Presidentes

João Nilson Zunino, presidente do Avaí permaneceu na presidência por 12 anos, quando o clube conquistou os títulos de campeão estadual em 2009; 2010 e 2012; promovido a Série A em 2008; permaneceu em 2009, 2010 e 2011; no final deste ano foi rebaixado. Com sua morte em 2014, Nilton Machado, vice-presidente assumiu e conquistou, em 2014, o acesso à Série A. No final do ano 2015 caiu. Nilton, como presidente o Avaí, não se tornou campeão estadual. Francisco Battistotti veio em seguida. É o atual presidente, e está no poder, há cinco anos e oito meses, período em que o clube subiu em 2016; caiu no ano seguinte, voltou a subir em 2018; em 2019 foi rebaixado. Neste ano, em 2019, o Avaí se tornou campeão estadual. Luta para não cair.

 

10 – A vida e a torcida

Como ocorrera amanhã em Belo Horizonte. Em 2014, o Avaí e seus torcedores esperaram pelos resultados dos jogos de Boa Esporte e Atlético de Goiás. Este ano, como naquele 2014, a torcida "seca" o Juventude e CSA, torcendo para que o Avaí vença o America-MG, em Belo Horizonte, amanhã à noite. NO mesmo horário jogam Juventude e Guarani, em Campinas; Náutico x CSA, em Recife. Uma derrota do Juventude e empate do CSA, o Avaí sobe, caso contrário, o Avaí fica na Série B.

 

11 – O reconhecimento

Edmundo passou pelo Figueirense em 2005 marcando 15 gols em 31 jogos disputados na Série A. Esta semana lembrou: "Eu tinha me aposentado e estava jogando Nova Iguaçu na segunda divisão carioca. Entrei em forma. O pessoal do Figueirense me viu e, com eles, voltei a jogar a Série A. Agradeço a Deus por esta passagem, que revigorou sua vida, permitindo que voltasse ao Palmeiras e ao Vasco, me dando a oportunidade de encerrar a carreira com dignidade.

 

12 – Saudades

Adilson Sanches, o primeiro a esquerda. Ontem senti saudade. Não o verei mais, apenas nesta foto ao lado de Mario Medáglia, Mauro Pires e Miguel Livramento em 1972. Adilson foi narrador de futebol, fazia parte da equipe da "Radio Jornal A Verdade", ao lado de Murilo José – o Camisa Amarela: Newton Cesar Viegas – o Eclético; Garrincha – operador técnico e Carlos Alberto Campos – o Repórter. Ainda vivem: Miguel Livramento – o Narrador da Moda, na época repórter; Brígido Silva – o Professor e este que "vos fala" – o Comentarista Diferente. Adilson nasceu no Paraná, radicou-se em Florianópolis e nos últimos anos morava no município de Palhoça. Adilson não teve tempo de dizer adeus a todos nós. Este janeiro de 2021 não permitiu.   

 

Fim

 

Tags:
futebol nossa jogada paulo brito
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Exclusivo

Nossa Jogada

Março 01, 2021
Exclusivo

Nossa Jogada

Fevereiro 25, 2021
Exclusivo

Nossa Jogada

Fevereiro 22, 2021
Exclusivo

Nossa Jogada

Fevereiro 18, 2021

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!