13.2 C
fpolis
13.2 C
fpolis
sexta-feira, 20 maio, 2022

O homem do tempo volta às telas

Últimas notícias

DESTAQUE

O personagem “homem do tempo” já rendeu bons filmes. Meu favorito disparado é “Feitiço do tempo” (1993), com Bill Murray, mas Steve Martin também mandou bem em “L.A. Story” (1991). Para não dizerem que implico com Nicolas Cage, cito também “O sol de cada manhã” (2005).

Agora, el hombre del tiempo é Guillermo Francella em “Granizo”, recém chegado na Netflix. Ele interpreta Miguel Flores, um meteorologista famoso que se auto-intitula “o infalível”. Porém, na previsão que faz na estreia de seu novo programa na TV, ele não prevê o que iria acontecer em Buenos Aires naquela noite. A vida muda de Miguel muda da noite para o dia. Ele sai de seu confortável apartamento na capital, onde vive apenas com Osvaldito, seu peixinho dourado, e se esconde na casa da filha em Córdoba. A convivência não será fácil, pai e filha são muito distantes. Francella – conhecido pelo drama “O segredo dos seus olhos” – é ótimo ator de comédia.

A crítica tradicional torceu o nariz para a película, mas “Granizo”, dirigido por Marcos Carnevale, é um belo entretenimento (e como estamos precisando, não é?), confirmando que nuestros hermanos argentinos sabem fazer bem todo tipo de cinema.

_________________________________________________________

 

Filmes

Respect – A história de Aretha Franklin – direção: Liesl Tommy – 2022 – Prime Vídeo

[media-credit name=”Reprodução/Divulgação” align=”alignnone” width=”300″][/media-credit]

Mais uma diva da música ganha sua cinebiografia. O filme mostra a trajetória de Aretha Franklin, a rainha do soul,  até alcançar o sucesso e estourar nas paradas mundiais com “Amazing Grace”, em 1972. “ Respeito”, que dá nome ao filme, é uma de suas músicas mais conhecidas.Confesso que é raro eu gostar do tema porque, quase sempre, a história dessas mulheres extraordinárias é mostrada de forma rasa e sem criatividade. Aqui, de novo, o roteiro é bem acadêmico e não aprofunda questões importantes na vida da cantora, como a relação com o pai, interpretado pelo sempre correto Forest Whitaker. Até a escolha da intérprete ficou na zona conforto. Jennifer Hudson já ganhou um Oscar por “Dreamgirls”, mesmo assim ela e as músicas incríveis de Aretha são as melhores coisas da película.

 

Uma mulher fantástica –  direção: Sebástian Lelo – 2017 –Netflix

[media-credit name=”Reprodução/Divulgação” align=”alignnone” width=”221″][/media-credit]

Chega à Netflix o filme chileno ganhador do Oscar de Melhor Película Internacional, em 2018, e de muitos outros prêmios ao redor do mundo. Marina Vidal é uma mulher transexual que namora um homem mais velho, Orlando. Uma noite, ele passa mal, Marina o leva ao hospital, onde ele acaba morrendo. A vida de Marina vira um inferno. O médico chama a polícia porque desconfia de um crime sexual; a ex-mulher de Orlando surge para exigir o carro do falecido e impedir que Marina apareça nas cerimônias fúnebres, para não constranger a família. Por fim, o filho mais velho de Orlando expulsa Marina do apartamento do pai. É um drama na medida certa, sem pieguismos. Um dos trunfos do filme é a interpretação da atriz e cantora trans, Daniela Vega. Seu parceiro no filme é um dos meus atores chilenos favoritos, Luis Gnecco.

 

Séries

The last panthers  – 6 episódios – Claro Vídeo

Essa minissérie traz um dos últimos trabalhos do ator inglês John Hurt. Sua companheira de elenco é Samantha Morton. São dois ótimos intérpretes. Só isso já bastou para atrair minha curiosidade, mas a trama policial inspirada nos famosos ladrões de joias dos Balcãs, os Panteras Cor-de-Rosa, é bem interessante. A única ponta solta é a história do policial que investiga o caso, mas funciona mais como uma história paralela. Ele tenta fugir da periferia onde nasceu, mas acaba se enredando com o irmão criminoso. Quem sabe isso pode ser um gancho para uma segunda temporada. A abertura dos episódios é embalada pela maravilhosa canção “Blackstar”, de David Bowie.

[media-credit name=”Reprodução/Divulgação” align=”alignnone” width=”300″][/media-credit]

 

O conto da aia – 4ª temporada – Globoplay

[media-credit name=”Reprodução/Divulgação” align=”alignnone” width=”300″][/media-credit]

Assinante de streaming sofre, viu? Há alguns anos passei a assinar o canal Paramount para poder acompanhar “The Handmaids Tale”. Mantive a assinatura, aguardando a próxima temporada. Agora, na quarta e derradeira, a série passa do Paramount para a Globoplay.

Essa distopia  se passa na fictícia Gilead, antigo EUA, com um regime que trata mulheres como propriedade. Offred, interpretada pela ótima Elizabeth Moss é uma das poucas mulheres férteis e serva do Comandante, sendo obrigada a gerar um filho dele. Mas Judy, seu nome real, é durona e busca sobreviver para encontrar a filha que foi tirada dela. A cada temporada, a crueldade com as aias e demais mulheres foram se tornando mais fortes. Não é uma produção para espíritos frágeis.

 

Amsterdam – 10 episódios – HBO/ HBO Max

Reprodução/Divulgação

O nome da série não se refere à capital da Holanda, mas ao nome de um cachorrinho que começa a seguir Martin na rua. Ele acaba levando o filhote para casa, em plena crise amorosa com Nadia, mas ela também se encanta pelo animalzinho. É uma história com temas bem atuais, mostrando os desafios que jovens casais enfrentam para manter a relação, num mundo de tentações  e escolhas profissionais. Mas quem brilha acima de tudo nessa produção mexicana é o adorável Amsterdam.

_________________________________________________________

Em cartaz nos cinemas

  • Coda-No ritmo do coração voltou às salas de cinema, depois de ganhar o Oscar de Melhor Filme. É uma chance de ver o filme na tela grande. Quem não se importa, pode também assistir no streaming da Prime Vídeo.
  • The Batman chegou bem recomendado pela crítica e pelos amantes de filmes de super heróis. Agora na pele de Robert  Pattison, o homem morcego vem mais jovem e melancólico, depois de descobrir atos de corrupção envolvendo sua família. Seu arqui-inimigo desta vez é o Charada, interpretado por Paul Dano.

[media-credit name=”Reprodução/Divulgação” align=”alignnone” width=”221″][/media-credit]

_________________________________________________________

THE END

cronica

Brígida Poli
Jornalista, cinéfila desde criancinha e maníaca por séries de TV desde "Os Sopranos". Não se considera crítica de cinema, pois não consegue deixar o coração de lado na hora de avaliar um filme. Adora falar e escrever sobre o assunto e tenta chamar a atenção para as grandes obras cinematográficas que as novas gerações desconhecem. Concorda com o mestre Federico Fellini quando ele disse que "o cinema é um modo divino de contar a vida".
Mais notícias para você
Últimas notícias

Os “semideuses” da era digital e a guerra pelo poder

Os “semideuses” da era digital e a guerra pelo poder “Nossos ídolos ainda são os mesmos...”, escreveu Belchior na linda...
.td-module-meta-info { font-family: 'Open Sans','Open Sans Regular',sans-serif; font-size: 14px !important; margin-bottom: 7px; line-height: 1; min-height: 17px; } .td-post-author-name { font-size: 14px !important; font-weight: 700; display: inline-block; position: relative; top: 2px; }