Dezembro 02, 2020

O que se sabe sobre assalto a banco em Criciúma

O que se sabe sobre assalto a banco em Criciúma

Na madrugada de terça-feira, 1, o município catarinense de Criciúma passou por momentos de terror com o maior assalto da história do estado. O roubo a agência do Banco do Brasil no contou com carros de luxo, armamento pesado e teve tiroteio, explosões e incêndios.

Ainda não se sabe quantos agiram no assalto cinematográfico, porém, a Polícia Civil estima que 30 pessoas encapuzadas participaram da ação. O alvo central era a agência do Banco do Brasil no centro de Criciúma. A quadrilha chegou ao local por volta das 23h50 de segunda-feira, 30.

Pessoas que trabalhavam na madrugada foram feitas reféns e cercada pelos criminosos, eles foram liberados e não houve feridos – os bandidos pediram para eles ficarem sem camiseta sentados perfilados.

Houve também, bloqueios e barreiras nas vias expressas que dão acesso ao centro da cidade; inclusive nas rodovias que cruzam a cidade. Um PM e um vigilante ficaram feridos. O PM passou por três cirurgias e tem quadro estável. Ninguém morreu.

Na fuga, os criminosos deixaram cair dinheiro, que ficaram espalhados nas ruas de Criciúma. Eles esqueceram também munições, 30 quilos de explosivos e até malotes do dinheiro que roubaram. Quatro moradores foram detidos após serem pegos recolhendo o dinheiro que estava na rua – ao todo 810 mil foram jogados no chão após explosão.

Para impedir reforços policiais, os bandidos incendiaram o túnel da cidade de Tubarão que dá acesso a Criciuma e espalharam miguelitos, que são apetrechos de metal capazes de furar pneus, o que dificultaria a chegada da polícia e bombeiros.

Durante o dia, a polícia localizou 10 carros usados no assalto em um milharal. Nove dos 10 veículos eram blindados, todos foram pintados de preto. Segundo a polícia civil, alguns tinham placas de São Paulo, mas a polícia não sabia se elas eram verdadeiras ou falsas.

A PM acredita, baseada em manchas de sangue encontradas nesses veículos, que pelo menos dois criminosos tenham se ferido. A ação durou 1 hora e 45 minuto.

A Polícia Militar e Civil deslocou equipes de todos os departamentos, como Operações Especiais, Aviação, Canil, Rodoviária e Antissequesto. A Polícia Rodoviária Federal também auxilia a PM nas estradas federais.

Até a manhã de hoje, 2, nenhum dos criminosos havia sido preso. Com informações de G1.

Tags:
Radar MakingOf
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!