Novembro 23, 2020

O streaming vai substituir a TV paga?

O streaming vai substituir a TV paga?
Reprodução

Nos últimos anos o consumo de entretenimento em vídeo mudou rapidamente de conceito e ideia com a chegada dos canais de streaming. Com a pandemia, este novo mercado se consolidou de vez com marcas como Netflix, Disney+, Amazon Prime, EI Plus e tantas outras plataformas proprietárias, principalmente no segmento esportivo. Isso significa maior disponibilidade de conteúdo, mais competitividade e preços mais flexíveis para os consumidores. Mas também acende um sinal de alerta para as TVs. De acordo com um relatório da Grabyo, nos próximos cinco anos, 25% das pessoas pretendem pagar apenas pelos serviços de vídeo online, 24% já fizeram essa troca e apenas 13% vão continuar com a TV por assinatura.

Este foi o ano em que os serviços de transmissão ao vivo saltaram das mãos das emissoras para a OTT (Over The Top), que em resumo, diz respeito à distribuição de conteúdos pela internet sem que passe pelo controle de um serviço de telecomunicações. Ou seja, um serviço sob demanda, disponível quando e onde o cliente quiser por um preço bem mais acessível do que as TVs a cabo, e na qual o cliente decide o que quer assistir naquele momento. Diversas transmissões ocorreram por redes sociais como o Facebook, seja de times e até das próprias emissoras.

"Tivemos um ano marcado por disputas judiciais de transmissão, principalmente causados pela pandemia, e várias ligas e times decidindo por novos modelos de distribuição de conteúdo", afirma Pedro Oliveira, cofundador da OutField Consulting, uma consultoria focada nos negócios do esporte e do entretenimento.

As modalidades esportivas puxam ainda mais o segmento em um ano que os portões dos estádios ficaram fechados, ou seja, equipes, clubes e marcas tiveram que buscar novas formas de impactar seu consumidor. A Premier League teve a criação do seu PPV por meio de exibições em sua própria plataforma OTT; as vendas de PPV da Conmebol em partidas da Libertadores; a união de DAZN, Tik Tok e Kicker na Alemanha para criar o Football Hub, oferecendo uma solução completa de conteúdo para os torcedores; transmissões em redes sociais como Twitter e Facebook do Campeonato Paulista Feminino; e a OneFootball no Brasil, transmitindo de graça a Bundesliga e a Ligue 1, que não são mais transmitidas via tv a cabo, entre tantas outras ações. Ou seja, o cabo está com os dias contados.

"Atualmente as principais emissoras e provedores de TV a cabo detém a maioria dos direitos esportivos e 44% dos fãs mundiais de esportes não pagam por esses serviços, o que significa que quase metade do público potencial fica de fora. A falta de acesso reduz o alcance e consequentemente causa menos impactos, perdendo força em grupos demográficos mais jovens e menos propensos a assistirem as competições", analisa o especialista. A maioria dos consumidores globais, entre eles os brasileiros, estão dispostos a pagar até US﹩ 10 por mês para assistir esportes online, ao passo que em mercados mais maduros, como Reino Unido e EUA, esse valor sobre para US﹩ 25.

Hoje há no mercado diversas opções de se consumir esse conteúdo em plataformas de streaming, o que destoa totalmente dos valores praticados hoje pela televisão e gera um grande debate: a decisão de deixar de vender pacotes exclusivos de direitos de mídia para emissoras de TV paga, com a segurança de renda durante este período.

"Essa decisão precisa ser tomada com alguma urgência, uma vez que o mercado de conteúdo na América Latina, que historicamente tinha boa adesão à TV a cabo, está migrando rapidamente para o streaming. Quase 80% dos consumidores esperam mudar para serviços de transmissão online dentro de cinco anos, maior taxa de adoção prevista em todos os mercados", completa.

Sem dúvida o streaming vem ganhando cada vez mais força, principalmente entre o público jovem, mas é possível afirmar que este é o fim da TV paga ou teremos uma convergência de mídias? É esperar para ver.

Tags:
artigos opinião especialistas
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!