Fevereiro 14, 2017

O que Temer anunciou deveria ser regra

A decisão anunciada pelo presidente Michel Temer em afastar temporariamente o ministro que for denunciado pelo Ministério Público e exonerar o que virar réu em ação criminal demorou para ser tomada. Deveria ser, sim, regra desde sempre para ocupação de qualquer cargo nas esferas municipal, estadual e federal, e, neste momento, alcançaria vários ministros, gente graduada no Palácio do Planalto, que pretende se descolar das manobras no Congresso contra a Operação Lava Jato. 

O que mais chama a atenção no discurso de Temer foi a negativa de que dar foro privilegiado ou especial, como queiram, a Wellington Moreira Franco, ao nomeá-lo secretário-geral da Presidência, não teve a intenção de blindar o velho companheiro peemedebista. Trata-se de uma retórica inconsistente. Moreira Franco é investigado por corrupção e está a um passo, portanto, de entrar na zona de perigo da regra defendida pelo presidente da República. O mais provável é que, diante do anúncio, o Ministério Público Federal acelere as denúncias, o que deixará o time de Temer bastante desfalcado. Melhor para o país.

 

Uma conclusão

Michel Temer tranquiliza seus assessores porque as denúncias feitas pelo Ministério Público precisam ser muito bem fundamentadas, uma garantia de mais tempo para os enrolados ministros. Assim, o Palácio do Planalto poupa alguns pescoços de imediato.   

 

Sinal verde

Grupos de trabalho foram criados pelo governo do Estado, a pedido de Raimundo Colombo, para tomar providências aos pedidos da Federação Catarinense dos Municípios. A informação foi repassada pelo governador à presidente da Fecam, a prefeita de São José Adeliana Dal Pont (PSD), depois de um encontro onde também estava presente o secretário Nelson Serpa (Casa Civil), e reforçada a edição do Fundam 2.

 

SIMONE SARTORI/DIVULGAÇÃO

COM MAIS FORÇA

A executiva estadual do PMDB não pretende esperar a definição do quadro sucessório na sombra. Pelo menos é o que a sigla, a maior no Estado, pretende ao alinhar ações que terá encontros com as bancadas estadual e federal, já a partir da semana que vem, e um grande encontro com os 100 prefeitos eleitos e os vices, em março, além de contar com um verdadeiro exército de 847 vereadores, um arsenal e tanto para o projeto ao governo em 2018.

 

A escalação

A reunião da executiva, nesta segunda, foi o ponto de partida de mais uma mobilização do PMDB. Presidida pelo deputado federal Mauro Mariani, estavam presentes ao encontro o vice-governador Eduardo Pinho Moreira, o senador Dário Berger, os ex-governadores Paulo Afonso e Casildo Maldaner, o vice-presidente e líder da bancada Valdir Cobalchini, o deputado federal Valdir Colatto, os deputados Ada de Luca, Dirce Heiderscheidt e Manoel Mota, o vice-prefeito Ari Vequi (Brusque), o secretário-geral Luiz Fernando “Vampiro” Cardoso, o tesoureiro Valter Gallina e o secretário-executivo da Fundação Ulysses Guimarães Chico Alves.

 

Antes

Deve sair nesta terça a fumaça branca do líder da bancada do PMDB na Assembleia, no ambiente do almoço tradicional. O atual líder, Valdir Cobalchini, ou o deputado Mauro De Nadal, ex-presidente da CCJ até o ano passado, representantes do Meio-Oeste e do Oeste, são os cotados.

 

A encruzilhada 1

O prefeito Gean Loureiro (PMDB) e o Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Florianópolis (Sintrasem) chegaram a um ponto de saturação nas negociações para por fim à greve há quase a um mês. A prefeitura não abre mão de descontar os dias parados, com uma compensação feita pelos secretários em um máximo de 60 dias, tampouco de retroagir no fim das incorporações de gratificações e da licença-prêmio, mas admite revogar a parte que acabou com o Plano de Cargos e Salários, menos o dos professores e funcionários da Educação – não alterado -, sem, contudo, manter cláusula de reajuste salarial, o centro da polêmica em torno das medidas aprovadas pela Câmara.

 

A encruzilhada 2

O Sintrasem insiste na revogação total do que foi aprovado, mas erra ao tentar a manutenção da licença-prêmio e das gratificações, responsáveis em muito pelos supersalários. Ao ignorar as multas diárias de R$ 100 mil, determinadas pelo Tribunal de Justiça, o Sintrasem aposta que serão extintas, como as compensações que duravam semestres inteiros para que abonassem as faltas. A queda de braço produz uma reação pesada na sociedade, o verdadeiro patrão de Gean e dos servidores, penalizada pela lógica sindical histórica de que sem causar dano ou prejudicar o atendimento à população, não há movimento vitorioso sob a ótica de um tom perverso. Perdemos todos.  

 

CLÁUDIA DE CONTO/FATMA

COOPERAÇÃO INTERESTADUAL

É uma troca: a Fatma catarinense cederá o sistema do Manifesto de Transporte de Resíduos, utilizados pelas indústrias locais na hora de destinar o que sobrou da produção, e o Instituto do Meio Ambiente de Alagoas contibuirá para que Santa Catarina desenvolva um sistema para registro e apuração de denúncias ambientais. O termo de cooperação técnica entre as duas entidades foi assinado pelo presidente da Fatma Alexandre Waltrick Rates (ao centro) e o presidente do instituto alagoano Gustavo Lopes, nesta segunda, sob o olhar atento da diretora de Licenciamento, Ivana Becker.

 

Sobre a Cohab

O governo do Estado confirma que a criação de uma secretaria executiva de Habitação é necessária e o remédio jurídico para fazer a extinção da Cohab. A secretaria terá penas quatro comissionados. Os funcionários, contratados pela CLT, podem aderir ao Plano de Demissão Voluntária Incentivada, que pouco compensa a quem tem menos tempo de casa.

 

RÁPIDAS

* Em nome do quinto lugar na produção nacional de leite, o deputado Natalino Lázare (PR), acompanhado  do secretário da Agência de Desenvolvimento Regional de Videira, Euro Vieceli, recebeu um boa notícia do presidente da Epagri Luiz Ademir Hessmann, de que quatro novos agrônomos serão contratados para auxiliar o produtor rural do Meio-Oeste.

 

* Até aonde irá a disputa entre os deputados federais Osmar Serraglio (PMDB-PR) e Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), já bastante bombardeado pelo MP, pela vaga de Alexandre de Moraes no Ministério da Justiça, o que só serviu para dividir as bancadas de Sul, Sudeste e Nordeste na Câmara.

 

* O exame unificado da Ordem dos Advogados do Brasil, país afora, virou um bom negócio para o Grupo Livrarias Catarinense e Livrarias Curitiba, que oferecem obras da área com preços especiais para os candidatos que participarão da primeira fase dia 2 de abril e a segunda fase, prático-profissional, dia 28 de maio. 

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 35 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, editor-chefe, chefe de Redação, gerente e diretor de Jornalismo na RBS TV (Blumenau e Florianópolis), hoje NSC TV; na TV Record (Florianópolis) e na Rede TV Sul (hoje SCC SBT); comentarista na RIC TV (hoje NDTV) e na Record News; editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia (ND). Atuou nas rádios União AM e FM (Blumenau e Florianópolis) e na Rádio Record da Capital. Atualmente, além do Making Of, faz comentários na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e é diretor de Conteúdo na TVBV (Band).
  • Youtube

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!