Fevereiro 24, 2017

PCdoB está menor no governo Colombo

O secretário Valmir Comin (Assistência Social, Trabalho e Habitação), que é deputado estadual pelo PP, exonerou boa parte dos indicados pelo PCdoB na pasta e manteve tão somente o diretor de Tecnologia da Informação e uma gerente da área de assistência social pela atuação acima da média de ambos. Comin, que nega qualquer caráter pessoal na medida, confirma que ligou para a deputada Angela Albino, presidente estadual da sigla, para avisar sobre os desligamentos e que ela lhe pediu 48 horas para analisar o assunto.

A exonerações foram feitas com o consentimento do governador Raimundo Colombo, depois de consulta de Comin ao secretário Nelson Serpa (Casa Civil) e até ao deputado Gelson Merisio, padrinho do acordo que trouxe o PP para o governo. O secretário explica que tomou a decisão pelo critério de qualificação técnica e descobriu gente nos quadros que não cumpria as funções. A informação que circula na pasta, não confirmada por Comin, é a de que, em alguns casos, a remuneração mensal de exonerados era de R$ 10 mil. Agora, a direção estadual comunista deve avaliar se permanece na base de Colombo.

 

Claro e objetivo

O secretário Valmir Comin adverte que não possui qualquer acordo com o PCdoB e que recebeu autonomia para ocupar espaços, algo limitado na pasta, praticamente ocupada por servidores da carreira. A extinção da Cohab, ainda em tramitação na Assembleia, fez com que a Secretaria Executiva de Políticas Sociais de Combate à Fome fosse transformada em Diretoria de Segurança Alimentar e Nutrição e um espaço maior foi relocado à Secretaria Executiva de Habitação e Regularização Fundiária, que Comin passou à responsabilidade do ex-deputado federal Leodegar Tiscoski.

 

Primeira hora

Desde que apoiou a candidatura à reeleição de Raimundo Colombo, em 2014, o PCdoB possuía um espaço na Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação, primeiro com a presidente da sigla, a deputada Angela Albino, que chegou a comandar a pasta, e, na sequência, com a Secretaria Executiva de Políticas Sociais de Combate à Fome, comandada por Arnaldo Zimmermann, que concorreu à prefeitura de Blumenau, em 2016. Atualmente, seis comunistas estavam na pasta. Na Assembleia, a posição do deputado Cesar Valduga tem sido de independência em temas polêmicos, porém não é ostensiva contra o governo.

 

JÚLIO CANCELLIER/DIVULGAÇÃO  

  

A FORÇA DO SUL

Este círculo de união, com mãos dadas, proposto por um dos prefeitos presentes à assinatura da ordem de serviço para a construção de uma linha de transmissão da Celesc, no gabinete do governador Raimundo Colombo, tem um significado: a força política do Sul do Estado. O ato foi diante do vice-governador Eduardo Pinho Moreira, que tem base em Criciúma, e de vários deputados da região. Colombo emendou: “Os deputados não estão preocupados com a eleição e trabalham em conjunto", elogiou Raimundo Colombo”.

 

Fora

Ofício assinado pelo presidente estadual, deputado Jorginho Mello, afastou o deputado Natalino Lázare do PR. O clima já andava ruim entre os dois e a motivação foi uma questão paroquial: Natalino fez campanha para o prefeito eleito de Videira Dorival Borga (PSD), uma retribuição ao apoio que recebeu do pessedista na campanha a deputado, mas o PR tinha candidato, Mario Adolfo Correia Filho. Natalino diz estranhar a medida.

 

Repercussão

No final da tarde desta quinta, o governador Raimundo Colombo ligou para o deputado Natalino Lázare para saber do ocorrido. A migração para o PSD é uma questão de tempo e dá robustez ao partido do governador na Assembleia, que passará a ter 11 deputados em plenário, e somente um é suplente.

 

JOÃO PAULO BORGES/DIVULGAÇÃO

MARATONA PRÉ-CARNAVAL

Antes da programação de Carnaval em São José, a prefeita Adeliana Dal Pont (PSD), presidente da Fecam, cumpriu uma maratona nesta quinta. A discussão de projetos de interesse dos municípios a levou a encontrar com o presidente da Assembleia, deputado Silvio Dreveck, o presidente do Tribunal de Contas, conselheiro Dado Cherem, e o secretário da Educação Eduardo Deschamps (foto).

 

Repercussão

Torcedores e céticos sobre os resultados da reunião entre PSD e PSB que selou um acordo para a eleição de 2018, tendo o projeto de Gelson Merisio ao governo como centro da questão, não devem ignorar o espaço que separa a aliança de sua concretização nas convenções estaduais. Os dois partidos necessitam de uma ampliação de aliança, com PP ou PSDB ou até PMDB, rifado em todas as hipóteses por ora.

 

Lições 1

Quando passou por Brasília, dia desses, o ex-deputado federal Paulo Bornhausen, presidente estadual do PSB, teria deixado escapar que segue o projeto de Merisio por uma vaga na eleição majoritária, provavelmente ao Senado. É bom lembrar que, até hoje, Bornhausen cobra o PMDB por uma promessa não cumprida, em 2014, de que receberia o apoio ao Senado, algo não efetivado porque Dário Berger recebeu o apoio também do PSD.

 

Lições 2

Há pouco menos de três anos, o presidente do PSB estava na chapa com tucanos e pepistas, em uma eleição de renovação de um terço da casa, quando correu praticamente sem apoio dos seus pares e teve um desempenho surpreendente nos maiores colégios eleitorais, onde o PSB também cresceu nas eleições municipais. No ano que vem serão duas vagas, uma delas, confirmada a coligação, é a de Raimundo Colombo.

 

DIVULGAÇÃO

FIM DO 1º TEMPO

O fim da greve dos servidores da prefeitura da Capital, depois de 38 dias de paralisação, não encerra o debate sobre os direitos dos trabalhadores e o Plano de Carreira que será revisto. Foi o pontapé de uma discussão que passa pelos limites da administração pública e compromissos assumidos que não estão de acordo com a capacidade de pagamento de uma prefeitura. Na queda de braço entre o prefeito Gean Loureiro (PMDB) e o Sintrasem não há vencedores nem vencidos enquanto o assunto não for analisado pela Câmara.  

Tags:
roberto-azevedo política economia bastidores da política Santa Catarina
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Roberto Azevedo

Roberto Azevedo
Jornalista com 35 anos de profissão. Foi repórter, editor, chefe de Reportagem, editor-chefe, chefe de Redação, gerente e diretor de Jornalismo na RBS TV (Blumenau e Florianópolis), hoje NSC TV; na TV Record (Florianópolis) e na Rede TV Sul (hoje SCC SBT); comentarista na RIC TV (hoje NDTV) e na Record News; editor de Política e colunista no Diário Catarinense (DC), e colunista no Notícias do Dia (ND). Atuou nas rádios União AM e FM (Blumenau e Florianópolis) e na Rádio Record da Capital. Atualmente, além do Making Of, faz comentários na Rádio Cidade em Dia FM, de Criciúma, e é diretor de Conteúdo na TVBV (Band).
  • Youtube

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!