23.5 C
fpolis
23.5 C
fpolis
terça-feira, 5 julho, 2022

Sem rumo

Foto: Palácio do Planalto / Crédito: Pixabay
Últimas notícias

Na falta de um política econômica efetiva, o Banco Central anunciou mais um aumento essa semana e a taxa Selic alcançou o maior patamar desde dezembro de 2016: 13,25% a.a. Foram 11 aumentos consecutivos.

Sem rumo. Na semana passada o Presidente Jair Bolsonaro e o Ministro da Economia Paulo Guedes pediram aos “donos de supermercado” que congelassem os preços. O pedido comprova a falta de preparo de ambos para os cargos que ocupam e que não sabem o que fazer para conter a inflação.  Na falta de uma política econômica efetiva do Governo Federal, a opção que resta para tentar conter a inflação é via Banco Central e o aumento de juros, com o risco de desencadear desemprego e um ciclo de recessão ainda profundo. Isso porque o aumento consecutivo de juros é usado para conter o crédito e o consumo – supostamente, mas o problema é que a inflação atual não é alavancada pelo consumo e sim pelo aumento de custos e a falta de credibilidade do próprio Governo.

Mudança de postura! A arma que está nas mãos do Presidente e que deveria ser usada todos os dias é alavancar a credibilidade com ações positivas que sinalizassem aos investidores e consumidores que o Governo sabe o que está fazendo, que está disposto a ancorar a retomada do crescimento econômico e a governar para todos os brasileiros.  Para alcançar credibilidade seria necessário uma postura austera, politicamente correta, ambientalmente e socialmente responsável. Porém a falta de conhecimento sobre os fundamentos econômicos e com aplicação de políticas de exclusão de temas importantes para a construção de um país mais justo e economicamente responsável está na contramão de tudo o que acontece. A política de aniquilamento da educação, saúde pública, cultura e ambiental estão fora das prioridades do atual Governo.

O preço da negligência. Quando o representante máximo do país negligência temas relevantes ao desenvolvimento, ele joga o Brasil num abismo sem fim, não apenas pelas trágicas consequências vistas nas ruas com o aumento de pedintes nos semáforos ou de pessoas dormindo nas ruas, mas também do alcance internacional de suas ações ou falta delas.  A morte brutal do jornalista Dom Phillips e do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira na Amazônia e a postura medíocre do chefe de Estado que transfere a culpa aos ambientalistas ecoaram mundo afora. A indignação é tão óbvia, mas o Presidente nunca escondeu de que lado que está, as bandeiras que defende, ou os grupos que prioriza. A única certeza é que depois de quatro anos de barbárie e destruição será necessário uma coalizão e o trabalho de algumas gerações para reverter o retrocesso.

Janine Alves
Graduada em Economia e doutora em Gestão do Conhecimento, faz parte do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Conhecimento, Aprendizagem e Memória Organizacional (Interdisciplinary research group on knowledge, learning and organizational memory), núcleo de excelência em pesquisa científica e tecnológica, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC/UFSC). Trabalhou como: professora da UFSC e Univali, colunista de economia do Grupo RIC Record (Jornal Notícias do Dia e Ric Record TV) e analista de economia na RBS - TV/ NSC - Diário Catarinense, Consultora de Economia Internacional para a CIP Cosultores – Espanha, Diretora do Escritório do Governo da Galicia/Espanha no Brasil, Diretora de Integração Internacional e Consultora de Economia do Governo de Santa Catarina (Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Assuntos Internacionais), etc.
Mais notícias para você
Últimas notícias

Instagram nega que vai mostrar quem visitou seu perfil

O Instagram desmentiu os rumores e afirmou não vai revelar quem visitou o seu perfil. O rumor começou a...
.td-module-meta-info { font-family: 'Open Sans','Open Sans Regular',sans-serif; font-size: 14px !important; margin-bottom: 7px; line-height: 1; min-height: 17px; } .td-post-author-name { font-size: 14px !important; font-weight: 700; display: inline-block; position: relative; top: 2px; }