Portal Making Of

AMPESC quer conhecer critérios do programa Faculdade Gratuita

Freepik

A Associação de Mantenedoras Particulares de Educação Superior de SC (AMPESC) aguarda informações da Secretaria de Estado da Educação sobre como funcionará o programa Faculdade Gratuita, previsto para entrar em operação no segundo semestre deste ano.

O Faculdade Gratuita é uma proposta do governador do Estado, Jorginho Mello, apresentada durante a campanha eleitoral, em que o Estado comprará as vagas do Sistema ACAFE (Associação Catarinense das Fundações Educacionais) que representa 30% do alunado em ensino superior particular em SC.

Desde que anunciado o programa Faculdade Gratuita, a AMPESC defende a necessidade de conhecer a metodologia e os critérios para a compra dessas vagas, uma vez que 70% dos demais estudantes não contemplados nessa proposta representam cerca de 300 mil alunos matriculados no ensino superior particular no Estado. Somente associadas à AMPESC são 70 faculdades, centros universitários e universidade, distribuídas em 89 municípios e com cerca de 150 mil alunos.

Os dirigentes da AMPESC consideram importantes as iniciativas que pretendem fortalecer o ingresso de estudantes nas instituições de ensino superior (IES), mas não conhecem os detalhes do Faculdade Gratuita, além do compromisso público do governador do Estado em comprar as vagas do sistema ACAFE.

“Precisamos entender qual será o impacto da proposta nas instituições associadas que a princípio estão fora desse programa para defender também a sustentabilidade delas”, acrescenta o presidente da AMPESC, reitor da Horus Faculdades, Cesar Augusto Lunkes.

Segundo o presidente, em reunião realizada em 14 de dezembro ficou acordado com o governador e com o secretário de Estado da Educação, Aristides Cimadon que a AMPESC participaria do grupo de trabalho que trata da pauta.

Lunkes destaca que “há de se ter responsabilidade com esse programa bilionário que tem criado expectativa aos estudantes catarinenses e na população”, reforçando também que o aluno do ensino particular não seja discriminado diante dessa proposta.

Em manifestações públicas do governador, o Faculdade Gratuita necessitará de cerca de R$ 2 bilhões/ano. Hoje, os recursos utilizados para bolsas de estudos em SC são repassados via UNIEDU (Programa de Bolsas Universitárias de SC) e representam algo em torno de R$ 500 milhões/ano, conforme dados da Secretaria de Estado da Educação.

Nessa semana, o programa Faculdade Gratuita foi reiterado por Jorginho Mello durante mensagem na Assembleia Legislativa. Para viabilizá-lo, o governador precisará encaminhar uma proposta de lei para apreciação dos parlamentares.

Compartilhe esses posts nas redes sociais:

Expansão de mercado em Santa Catarina

Mais cinco cidades catarinenses devem receber até o final deste ano empreendimentos imobiliários assinados pelas empresas do Grupo Lumis e quatro delas pela primeira vez.

Leia mais