Portal Making Of

As principais fraudes no Carnaval; veja como se proteger

Pixabay

Um dos eventos mais animados do ano está prestes a começar: o Carnaval. Com ele, vem muita folia, diversão, música, danças e blocos espalhados em cada região do Brasil. Só que há um problema: a tentativa de golpes financeiros.

E para você não cair em alguma fraude durante o feriado, é importante saber quais são esses golpes. Gabriel Scherer, sócio da QI Tech, elenca três tipos comuns e como se proteger contra este perigo. Confira abaixo:

Golpes com Pix

O Pix é a principal ferramenta de golpe contra os foliões. Para evitar cair, é essencial que o usuário confirme se o QR Code indicado ou a transferência está com o valor correto. Caso contrário, o valor da transferência pode ser muito maior e o fraudador aproveita o momento de folia para aumentar o valor final.

“Você acha que está comprando uma cerveja e quando vai ver, está transferindo mil reais para o golpista. Esse cuidado na transação é muito importante. Diminuir os limites de transação é a melhor opção para evitar maiores prejuízos”, destaca o especialista. Mas há uma dica valiosa: segundo Scherer, não é possível cancelar um PIX, mas é possível contestá-lo. “O Banco Central, por exemplo, criou uma norma que coloca em prática o Mecanismo Especial de Devolução (MED). Este mecanismo é apenas para situações de fraude e não serve para situações de engano e ou arrependimento. O consumidor precisa registrar um boletim de ocorrência, no caso da fraude, e em ambas as situações avisar imediatamente a instituição pelo canal de atendimento oficial, como SAC ou Ouvidoria”, orienta.

Além disso, nos aplicativos dos bancos, há um link direto para o canal a ser utilizado para registrar a reclamação. Quanto mais rápido a vítima comunicar a fraude, mais chances terá de reverter a operação.

 

Troca do cartão

A falta de atenção é amigo do golpe. Ao pagar o transporte de ida ou de volta da folia ou comprar algo em ambulantes, fique atento! O golpe da troca do cartão acontece da seguinte forma: o motorista ou ambulante usa a maquininha e diz que a aproximação não está funcionando. O fraudador pega o cartão do usuário e observa a senha digitada pelo usuário. Na hora de devolver o seu cartão, o fraudador entrega outro cartão para o usuário, ficando com o cartão original e a senha.

“No meio da animação, o usuário nem se dá conta que está com um cartão trocado.  Em muitos casos a vítima só descobre que houve a fraude, quando for fazer outra transação. Prefira o uso do modelo de pagamento por aproximação e fique sempre atento. Olhe sempre a tela da maquininha, confira sempre o valor e certifique-se que você está com o cartão correto”, destaca o especialista.

 

Pagamento por aproximação

Um dos principais golpes no carnaval é o golpe de pagamento por aproximação no cartão. Como ele funciona? O golpista encosta uma máquina de cartão perto dos bolsos das vítimas para tentar creditar um determinado valor em cartões com pagamento por aproximação.

“Uma dica para evitar que o cartão não seja fraudado, é desabilitar a aproximação no aplicativo do banco ou colocar senha para concluir qualquer pagamento”, finaliza Scherer.

 

Abaixo, confira outras dicas da especialista para aproveitar o feriado com segurança:

  • Em caso de roubo e furto, comunique imediatamente o seu banco e registre um boletim de ocorrência (online ou em uma delegacia mais próxima);
  • Ao digitar a senha do cartão, garanta que não esteja visível para as pessoas ao redor;
  • Proteja o cartão e não o guarde solto em bolsos ou bolsas, pois isso pode facilitar o pagamento por aproximação em situações de aglomeração;
  • Se o visor da máquina estiver danificado, não aceite realizar pagamentos. Vá em outro estabelecimento;
  • Ao comprar algo na rua, nunca entregue o cartão para o golpista inserir na maquininha;
  • Peça o comprovante impresso do pagamento;
  • Se o vendedor informar que precisa passar o cartão novamente, desconfie;
  • Em caso de pagamento diretamente pelo celular – como em casos de iPhones, utilize a biometria facial/digital para acessar o celular e os aplicativos.

Os colunistas são responsáveis por seu conteúdo e o texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal Making of.