Portal Making Of

Dois vereadores do MDB de Joinville são investigados pela polícia

Na manhã desta quinta-feira, 30, o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) em apoio a 13ª Promotoria esteve na Câmara Municipal de Joinville, no norte do Estado, para cumprir dois mandatos de busca e apreensão no gabinete dos vereadores Cláudio Aragão e Mauricinho Soares, ambos do MDB.

De acordo com o presidente do legislativo joinvilense, Diego Machado (PSDB), a Câmara está dando todo o apoio para a polícia e reforça que a operação não é contra o legislativo da cidade, mas sim contra os dois parlamentares.

A operação do Gaeco está investigando um suposto crime contra a administração pública, como peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, falsidade ideológica e sonegação fiscal que teriam sido praticados entre os anos de 2016 e 2020.

Tudo teria acontecido através de um programa de pavimentação comunitária, utilizando lajotas cimentadas, implementado em diversas ruas do município. Segundo o MPSC, as subprefeituras teriam distribuído o material para livre indicação política pelos vereadores das respectivas regiões.

Os investigados agiam como facilitadores das contratações celebradas para pavimentação de ruas, indicando os empreiteiros para a realização dos serviços.

Entre os parlamentares beneficiados pelo esquema, um deles já foi líder do governo municipal na Câmara e era conhecido como o “Rei da Lajota”.

Já a ação conduzida pela Diretoria Estadual de Combate à Corrupção (Decor) investiga a liberação de carteiras de motoristas suspensas pelo Departamento de Trânsito. Nesta operação, um dos vereadores, um despachante e outro funcionário terceirizado do Detran acabaram presos.

A ação do Gaeco não teve prisões, mas cumpriu 28 mandados de busca e apreensão. Neste caso, o Ministério Público buscou provas para apurar se houve ou não crimes contra a administração pública.

Os colunistas são responsáveis por seu conteúdo e o texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal Making of.