Portal Making Of

Chegou o Centenário da FCF; Avaí explica atraso salarial; Figueira e o desafio da Série C

Sede da FCF em Balneário Camboriú Foto: Divulgação / FCF

A Federação Catarinense de Futebol comemora nesta sexta-feira (12/04) o seu Centenário. Momento esperado por todos aqueles que de uma forma ou outra estão ligados ao futebol em Santa Catarina. São 31 clubes filiados no masculino, cinco no feminino e 23 ligas. O atual presidente é Rubens Renato Angelotti, que assumiu a entidade após a morte de Delfim Pádua Peixoto Filho. Comandará uma noite de gala quando receberá os convidados no Ocean Place – Centro de Eventos, na Avenida Atlântida, em Balneário Camboriú. O presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, que foi e voltou, é aguardado nas comemorações.

Imagem FCF

Histórias para contar

O tempo passou rápido desde que Figueirense, Avaí, Atlético, Internado e Trabalhista se reuniram no Colégio Catarinense para fundar a Liga Santa Catarina de Desportos Terrestres, que depois virou Federação Catarinense de Futebol. E ao longo destes 100 anos, muitas histórias de valor foram contadas. Desde Delfim de Pádua Peixoto Filho, que ficou no comando por 31 anos. Só saiu por conta do trágico acidente da Chapecoense na Colômbia, que ceifou sua vida e de mais 70 pessoas entre dirigentes, atletas e jornalistas que estavam no voo da Lamia.

Dirigiu a FCF por 31 anos        Foto: Divulgação / FCF

José Elias Giuliari ficou 13 anos no poder, especialmente no período de ouro do Joinville Esporte Clube, equipe que depois conquistou oito títulos seguidos. Ao todo foram 17 presidentes na história da FCF. E não dá para deixar de destacar Aderbal Ramos da Silva, presidente de 1939 a 1946. Depois foi governador do Estado, homenageado com o nome do Estádio da Ressacada. Avaí e Figueirense ganharam 18 títulos estaduais na história, enquanto Joinville e Criciúma outros 12 cada. O último foi semana passada pelo Criciúma, na disputa com o Brusque. Cabe também lembrar dos sete títulos da Chapecoense.

Conquistas 

Pedro Lopes e os jornalistas da época: Carlos Alberto (E), Carlos Neto e Evory Pedro Schmidt     Foto: Arquivo pessoal

Durante estes 100 anos, muitas conquistas importantes para o futebol catarinense. O Torneio da Malásia, em 1982, com a Seleção Catarinense representando o país. Lembro do pool de emissoras com a narração do saudoso Rodolfo Sestrem. JB Telles, presidente da ACESC também estava lá ao lado de Pedro Lopes, ex-presidente da entidade. Aliás, Pedro Lopes dirigiu a FCF no período em que a sede estava instalada na Rua Vidal Ramos, centro de Floripa. Participei de muitas coletivas ao lado dos setoristas da época (foto). Pedro deixou a Federação para ser diretor da CBF e comandar o Brasil na Copa do México, em 1986.

O voo da Chape

Ainda sobre conquistas é preciso ressaltar o título da Chapecoense da Copa Sul-Americana, que representou a vaga na Copa Libertadores do ano seguinte. Não dá para deixar de relatar o trágico acidente com o voo da Chapecoense, que estava a caminho de Medellín (COL) para a primeira partida da final da Copa Sul-Americana, contra o Club Atlético Nacional e deixou 71 mortos. A Conmebol confirmou o título da Chapecoense.

Time da Chape campeão da Sul-Americana     Foto: Márcio Cunha / Agência Lusa

Temos o título do Criciúma da Copa do Brasil sobre o Grêmio em 1991. Em 1995 o Figueirense ganhou o Torneio Mercosul. O Criciúma venceu ainda as Séries B e C. O Joinville e a Chapecoense também ganharam a Série B. O Avaí foi campeão da Série C em 1988. O Figueirense campeão da Copa São Paulo de Futebol Junior em 2008. Entre os clubes femininos, o Avaí/Kindermann ganhou o título em 14 oportunidades e chegou ao vice brasileiro. Disputou duas Libertadores e hoje integra a Série A.

Marco Antônio Martins

Marco Antônio deixou legado    Foto: CAF/JP

Este grande amigo ficou pelo caminho, vencido por um infarto fulminante recentemente. Foi assistente, árbitro e virou dirigente da entidade, vice-presidente, e com a responsabilidade de fazer a semente plantada por Pedro Lopes e Delfim Peixoto, com Dalmo Bozzano (primeiro a chegar à FIFA), transformar a arbitragem catarinense para melhor. Trabalho formiguinha que deu resultado com o intercâmbio com outros centros do país. Um custo muito alto para este manezinho que deixou muita saudade. Hoje Santa Catarina tem dois árbitros entre os melhores do país e três na FIFA: Bráulio da Silva Machado, Ramon Abatti Abel e Charly Wendy Straub Deretti.

Presidentes da FCF

Confira todos os presidentes da entidade e suas datas de mandato:

  • Luiz Alves de Souza (1924 a 1927)
  • Otávio de Oliveira (1928 a 1929)
  • Coronel Pedro Lopes Vieira (1930)
  • Pedro E. Silva Medeiros (1931 a 1933)
  • Nelson Nunes (1934 a 1935)
  • João Alcântara da Cunha (1936 a 1938)
  • Clodoaldo Nobrega (1938)
  • Aderbal Ramos da Silva (1939 a 1946)
  • Álvaro Pereira do Cabo (1947 a 1948)
  • Paulo Weber Vieira da Rosa (1948)
  • Flávio Ferrari (1949 a 1951)
  • Osni Mello (1952 a 1969)
  • Manoel Carlos de Souza (1969 a 1970)
  • José Elias Giuliari (1970 a 1983)
  • Pedro José de Oliveira Lopes (1983 a 1985)
  • Delfim Pádua Peixoto Filho (1985 a 2016)
  • Rubens Renato Angelotti (2017 até o momento)

Salários atrasados 

Não dava para imaginar que com o modelo de gestão diferenciado, baseado em processos e com aportes financeiros substanciosos, o Avaí estivesse passando por dificuldades para pagar salário. A nota do CEO Lucas Mendes Pedrozo encaminhada ao presidente do Conselho Deliberativo, Bernardo Pessi, para que fizesse chegar aos conselheiros a explicação do clube sobre as dificuldades do momento, busca tranquilizar a família avaiana, às vésperas da estreia em mais uma Série B. Salário em dia sempre foi uma bandeira da atual diretoria, mas cabe ressaltar as dificuldades inerentes ao modelo associativo que deixa o clube sempre vulnerável na questão do fluxo de caixa, principalmente se gastar mais do que deveria com o futebol e sua estrutura organizacional.

O que diz a gestão 

“O clube passa por um ajuste momentâneo de fluxo de caixa e, por esta razão, as imagens dos atletas apenas do último mês, com vencimento em 25 de março, e o salário do mesmo mês vencido no último quinto dia útil de abril, ainda não foram regularizados. Quanto aos demais colaboradores, resta apenas uma pequena parte deles a terem seus salários de março, vencidos em abril, quitados. O clube reafirma o seu compromisso com a regularidade financeira e com a entrada em breve de uma série de recursos já garantidos, realizará a integral regularização”.

Estreia

Será na próxima sexta-feira (19/04), às 21 horas, diante do Operário, em Ponta Grossa, no Estádio Germano Krieger. O primeiro grande desafio da equipe de Barroca, que naufragou no Campeonato Catarinense e busca a recuperação rumo à Série A. Na outra sexta-feira (26/04) tem o segundo compromisso, agora na Ressacada, às 20 horas, diante do grande Santos, de passagem pela Segunda Divisão nacional.

Depois o Leão da Ilha cruza o país para pegar o Papão da Curuzu, em Belém do Pará, na sexta-feira (03/5), às 19 horas. O Paysandu subiu ano passado e é sempre um adversário perigoso em casa.A quarta partida da série será na Ressacada diante do Coritiba, às 11 horas da manhã do sábado (11/05). O Avaí pega dois candidatos ao acesso já na largada, diante do seu torcedor. Precisa começar bem.

A Chapecoense estreia sábado (20), às 15h30min, diante do Ituano, na Arena Candá, e o Brusque, o outro representante catarinense na Série B, joga na segunda-feira (23/04), às 21 horas, contra o Mirassol, em Itajaí, onde mandará seu jogo no Estádio Hercílio Luz.

Barroca 

Desafio de Barroca Foto: Reprodução/TV AFC

Impaciente com o técnico Barroca, a torcida azurra espera que o técnico possa corrigir os problemas defensivos da equipe, que ficaram demasiadamente evidentes na disputa do estadual. O Avaí tem recursos técnicos e onde buscar as soluções. Investiu para ter uma equipe competitiva, mas a resposta não chegou ainda. Foram muitos problemas de lesão que atrapalharam o trabalho do Barroca. A torcida cobrou até mudanças no comando técnico. Entendo que não é para tanto, o projeto precisa continuar, Barroca tem o desafio de fazer esta equipe jogar bem e buscar algo mais do que meio de tabela ou luta pela permanência. É preciso dar respostas em campo.

Lateral direita

Marcos Vinícius na lateral Foto: Leandro Boeira/AFC

Pelo menos para a lateral direita o Avaí passa a contar agora com Marcos Vinícius, jogador que chegou do Maringá por empréstimo até o final do ano. Muito bem referendado pelo técnico Luiz Carlos Cruz, que conhece o atleta e tem tudo para fazer uma grande série B. O Avaí, é bom lembrar, perdeu os dois da posição: Kevin e Gabriel Dias, que se lesionaram no mesmo dia, no jogo de ida contra o Joinville pelas quartas do Catarinense, na Arena Joinville, ambos com lesão no joelho. Tratamento cirúrgico. Thales Oleques, jogador que vinha atuando na ausência dos titulares, fica à disposição. Ou melhor, não sabe se fica, pois o contrato acaba agora na metade do ano.

Jogo-treino

Muito bom o Figueirense testar a equipe em jogo-treino diante do Hercílio Luz, time bem montado pelo Alexandre Lopes e que vem realizando boa preparação para a Série D do Brasileiro. João Burse poderá fazer suas experiências, mas entendo que o importante será dar ritmo para a equipe que definiu como titular, a base que criou ao longo do estadual.

Ruan Carneiro vai para o gol e foi contratado para isso. Nas demais posições com Cedric, Genilson, Rafael Ribeiro e Titto, formando a zaga. Gledson, Léo Baiano e Camilo no meio e o ataque com Guilherme Pato, Renan Bernabé e Alisson. A equipe contratou outros atletas que agora serão olhados com carinho por Burse e sua comissão.

Avaí/Kindermann

Volta a jogar nesta sexta-feira (12), diante do Palmeiras, às 20 horas, no Estádio Jayme Cintra, em Jundiaí, pela quinta rodada do Brasileiro Feminino da Série A. A equipe azurra viajou de ônibus até São Paulo e precisa da vitória. Está na penúltima colocação, na zona de rebaixamento. A campanha não é boa e pega um adversário difícil como o Palmeiras. O Avaí/Kindermann precisa de carinho e apoio maior da diretoria para buscar a recuperação e evitar a queda de divisão.

Manchado

Ainda rende em todas as rodas de discussão os pênaltis não marcados a favor do Brusque na final do Catarinense. A FCF divulgou os áudios do VAR, parecer sobre os lances, ouviu especialistas e diversificou as opiniões. Não brigo com a imagem e nem tento justificar o injustificável. Foram dois pênaltis não marcados a favor do Brusque, erros que mancharam o resultado final da competição.

O Brusque reagiu protestando contra o FCF e a entidade sentiu a repercussão negativa sobre a sua imagem e do campeonato. Uma pena que tenha acontecido, pois conhecemos a índole dos que organizam o nosso futebol e a preocupação com a lisura da disputa. Uma mancha que ficará na conta de Ramon Abatti Abel, árbitro FIFA e Rodrigo D’Alonso Ferreira, que estava no VAR e também é FIFA.

Bonatelli

O Paraná Clube, tradicional equipe paranaense, chegou ao fundo do poço com rebaixamentos seguidos. Mas há sempre uma luz no fim do túnel. E a esperança no trabalho deste manezinho da Ilha, que está lá comandando a recuperação. Carlos Bonatelli, profissional gabaritado, experiente, filho do querido Dr. Lourival Bonatelli, com quem joguei bola no antigo Cosmos, do Horácio. Bonatelli, 40 anos, que já foi diretor de Negócios do Avaí, tem este desafio de levar o Paraná Clube de volta à Primeira Divisão paranaense.

Metropolitano

Sem dinheiro não vai pra frente. Francisco José Battistotti, presidente com passagem vitoriosa pelo Avaí, foi convidado e assumiu o compromisso de levar a equipe à Primeira Divisão. Mas na prática, as dificuldades são grandes. Sem estádio e dinheiro, o projeto não avança. Sem investidores, fica complicado. Battistotti avaliando a desistência deste desafio. Se a comunidade não pegar junto, como fazer futebol profissional assim. Blumenau não pode ficar fora do mapa do futebol em Santa Catarina. Sai dessa, Battistotti, vai descansar, amigo.

Gledson

Gledson no Santa   Foto: Divulgação / AFC

Tem muita história esse goleiro de 41 anos, último campeão pelo Avaí em 2021, quando também conquistou o acesso à Série A, atuando todas as 38 partidas da competição. No título do Avaí sobre a Chapecoense, Gledson foi o melhor goleiro da competição e o menos vazado. Agora em 2024 defendeu o Primavera na Série A2 de São Paulo, eleito para a seleção da rodada em vários jogos. Será o reforço do Santa Catarina, de Rio do Sul, campeão catarinense da Série C em 2022, que vai brigar para estar na elite do Estado em 2025. Formado por investidores paulistas, a equipe está pronta para buscar o acesso, que ano passado bateu na trave na semifinal.

Guilherme Lazzaroni 

O grande destaque desta nova equipe do Hercílio Luz, adversária do Figueirense no jogo-treino deste sábado e que se prepara para a disputa da Série D do Brasileiro. Lazzaroni tem o objetivo de tentar levar o Leão do Sul ao acesso e está trabalhando para isso. Esta semana apresentou o seu lado empresarial, inaugurando de forma oficial o Armazém 11, quase ao lado do Scarpelli, no Estreito, ao lado do parceiro Marinho Marcondes.

Raphinha

Em alta   Foto: (ANNE-CHRISTINE POUJOULAT / AFP)

O ex-jogador revelado pelo Avaí foi o nome da semana nos jogos de ida das quartas da Liga dos Campeões da Europa, autor de dois gols na vitória do Barcelona sobre o PSG no Parque dos Príncipes, em Paris. Aliás, os primeiros gols dele nesta competição. Valorizado e sondado por equipes da Arábia, pelo seu talento e grande futebol, Raphinha resgata a alegria do futebol, com gols. Será com certeza uma das armas do técnico Dorival Junior na Seleção Brasileira. Raphinha volta ao seu nível de competitividade, fazendo a diferença. Já soma oito gols e nove assistências pelo Barça. Em 30 jogos, 20 foram como titular.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os colunistas são responsáveis por seu conteúdo e o texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal Making of.

Compartilhe esses posts nas redes sociais: