Portal Making Of

O melhor, o campeão e as lembranças

Foto: Divulgação

1 – Respondendo ao Sérgio

O Sérgio, meu vizinho, perguntou qual era o melhor jogador de futebol em Santa Catarina. Ao começar a frequentar estádios de futebol admirei Norberto Hoppe, Idésio e Teixeirinha, naquele tempo dos anos 60, o melhor jogador de futebol catarinense. Minha turma ia ao Adolfo Konder torcer por um amigo: Cavallazzi; acrescentei outro: Nelinho. O jornalismo esportivo virou meu oficio quando voltei de POA em 1972 e, porque fui exigir de Nestor Fedrizi – diretor do Jornal  de Santa Catarina, que publicasse noticias e fotos de atletas locais, não só noticiar fatos do campeonato carioca. Me comprometi apurar o noticiário esportivo da Capital e os fatos do interior, assim as estórias de ídolos locais saíram das paginas internas e passaram e ser publicadas na contracapa. Como esta:

 

2 – O melhor de SC

Foto: Reprodução

Desde 1972 acompanhei craques como Lico, Zenon, Veneza, Lenzi, Luiz Everton, Sado, Valdomiro… como eles também: Toco, Sávio e Ado nascidos em Santa Catarina. O melhor de todos do meu tempo é Felipe Luís; por onde jogou -, na seleção brasileira inclusive e pelos títulos que conquistou. Aos 16 anos deixou a família e amigos em Jaraguá do Sul para vir morar debaixo das arquibancadas do Estádio Orlando Scarpelli e iniciar o um sonho do avô e do pai: o de jogar no Flamengo.

 

3 – Felipe Luís a história

Aos 17 anos Felipe Luís completou o time reserva do Figueirense em 2000, quando Abel Ribeiro era o treinador. Na pré-temporada em Jaraguá do Sul, no parque da Malwee, Abel convidou um menino para completar o treinamento. Sérgio Luiz estava lá. Quando Felipe fez a terceira jogada, Abel correu para o lado de Sérgio e perguntou:

– Tu viu? O abusado está descendo conosco.

O pai Moises e a mãe Sueli deixaram Felipe vir viver na Capital.

Três anos depois Dorival Junior o promoveu ao time titular. Em 2004…

 

4 – Figueira e CA Rentista

Foto: Reprodução

Juan Figer o empresariou e, como sócio do Rentista, o registrou no Uruguai, para ir viver o sonho de jogar na Europa. O capitulo dessa história vitoriosa terminou neste dia de 03/12/2023. Até chegar no Flamengo, Felipe foi, em 2004, defender o Ajax da Holanda. Juan Figer o queria no Real Madrid. Em 2005 chegou perto, o colocou no Castilla, para ser observado como Casemiro e Rodrygo mais tarde. Na vida de Casemiro apareceu o Porto, na de Rodrygo o Real e na de Felipe o La Coruña  em 2006. Voltou à Madrid quatro anos depois para jogar no rival: Atlético de Madrid. Esteve na Premier, em Londres, defendendo o Chelsea. Não gostou. Retornou ao Atlético de Madrid e, em 2019 aos 34 anos, chegou a onde queria: no Flamengo, time do coração de menino e em 2023, aos 38 anos, 20 anos depois de deixar Jaraguá sai vitorioso[i]. Uma novo capitulo na sua história o aguarda: a de treinador. Abel Ribeiro e Dorival Junior o esperam para lhe dar conselhos.

 

5 – O que aprendeu no Ajax

Foto: Reprodução

Quando voltou da Holanda de férias, em 2005, esteve no programa Debate Diário e no corredor perguntei o que tinha aprendido no Ajax.

– A marcar Brito. Depois do treino, me ensinaram a marcar.

Foram 664 jogos, 60 defendendo as seleções brasileiras sub18 e adultas, jogando de lateral subindo pelo meio. Felipe Luís aprendeu a marcar.

 

6 – Desperdício de dinheiro

Cadê a sabedoria? Foram 17 dispensas na ultima semana. O Avaí liberou 11 jogadores com seis reservas; dinheiro jogado fora, jogadores contratado com a aprovação de diretor de futebol, de treinadores e do presidente Júlio. Errar duas ou três vezes aceito, mas 17 vezes não. Não conseguem enxergar a qualidade, pois agem como um juiz: que vive errando, se preocupando com Jurere In sem “ligar” para Ingleses.

 

7 – Importância ao Bráulio

Foto: Reprodução

Que não damos ao que é nosso. O brasileiro de futebol da Série A, está terminando e Ramon Abatti Abel, Bráulio Machado e Cléber Lúcio Gil apitaram jogos importantes como o deste domingo 03/12 entre Palmeiras x Fluminense, que decidia a sorte no campeonato.

 

8 – Reparo no Jogo

Bráulio, falta por trás é cartão vermelho direto, porque o adversário – vítima, não pode se defender da covardia. Ah, Bráulio, apitou Botafogo 3 x 4 Palmeiras e aos 83 minutos, marcou um pênalti a favor do Botafogo quando o jogo estava Bota 3 x 1 Palmeiras, Tiquinho Soares perdeu a chance de fazer 4 a 1, nesse momento e lance o Botafogo perdeu a chance de conquistar o título de campeão.

 

9 – O título brasileiro

Foto: Divulgação

De futebol foi decidido no segundo tempo do jogo Botafogo 3 x 1 Palmeiras, quando Tiquinho teve a oportunidade de fazer o quarto gol cobrando pênalti a favor do Botafogo. Se o Tiquinho faz 4 a 1, o Botafogo não teria perdido para o Palmeiras. A nove passos do goleiro, sem ninguém na frente, os jogadores não podem culpar o português Lage ou qualquer árbitro.

 

10 – Perdeu

Pênalti, dizia Neném Prancha é tão importante que deveria ser “cobrado” pelo presidente do clube.

 

11 – Neném Prancha

João Saldanha cronista, diretor de clube, tabelião e treinador de futebol colocava no jornal suas tiradas sobre o futebol, que cultivava em um boteco na Rua Miguel Lemos em Copacabana, na “boca” de um personagem e figura dos jogos de futebol disputados na areia da praia Copacabana que chamava de Neném Prancha, seu alter ego.

 

12 – Palmeiras campeão

Foto: Reprodução

Mas mesmo uma derrota deve dar o bicampeonato brasileiro, pois Flamengo e Atlético-MG só podem empatar em pontos e teriam de tirar uma grande diferença no saldo. O Palmeiras tem 31 gols de saldo, contra 23 do Atlético-MG e 15 do Flamengo.

 

13 – Rebaixamento

1 – Bahia com 68,9% de cair para a Série B enfrenta o Atlético Mineiro, interessado no título de campeão, mas precisa ganhar e golear o Bahia porque tem oito gols a menos que o Palmeiras;

2 – Vasco com 24,9% de cair terá como adversário o Fortaleza, que se vencer ou perder não muda nada tabela de classificação. Só o Vasco tem interesse;

3 – Quanto ao Santos com apenas 6,2% de chances de cair joga sua sorte enfrentando ao Bragantino, que pouco importa o resultado. A vitória só seve ao Santos.

 

14 – Jogo Injusto

A Recopa Catarinense será decidida em um único jogo, dia 16/01/2024, no estádio Heriberto Hülse, entre Criciúma x Marcílio Dias. Se dependesse dos dirigentes essa decisão seria o Criciuma com oito jogadores e o Marcílio Dias com um apenas. Pois será assim na divisão da renda, o adversário do Criciúma terá direito se vencer apenas 10% da arrecadação, apesar de ter as mesmas despesas para estar em campo, pois todas as despesas de deslocamento, hospedagem e alimentação será responsabilidade de cada equipe. que coisa mais injusta.



[i] O lateral se despede do Flamengo com 10 títulos conquistados: Libertadores (2019 e 2022), Brasileirão (2019 e 2020), Copa do Brasil (2022), Supercopa (2020 e 2021), Recopa (2020) e Cariocas (2020 e 2021).

Os colunistas são responsáveis por seu conteúdo e o texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal Making of.