18.5 C
fpolis
18.5 C
fpolis
domingo, 29 maio, 2022

Nuvem de poeira!

Últimas notícias
Nuvem de poeira!
By Pixabay

Estiagem, crise hídrica, aumento do preço da energia e agora uma nuvem de poeira que atingiu uma das áreas mais ricas e desmatadas do país, mesmo assim a relação entre o meio ambiente e a economia ainda passa longe das discussões sobre o futuro do sistema produtivo.

“Nada é tão ruim que não possa piorar” essa foi a frase dita pelo Presidente Jair Bolsonaro sobre o dólar e a inflação, mas tem validade ampliada para outros setores da economia. Em outro momento deste mesmo Governo outra frase, mas do então Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salle defendia: o deixar passar ‘a boiada’ e ‘mudar’ regras enquanto atenção da mídia estava voltada para a Covid-19:  “A oportunidade que nós temos, que a imprensa está nos dando um pouco de alívio nos outros temas, é passar as reformas infralegais de desregulamentação, simplificação, todas as reformas…”.

As duas frases, embora ditas em momentos distintos, são o prenuncio de algo que já está acontecendo. A relação do meio ambiente com a economia ainda não está na agenda positiva dos Governos e do setor empresarial, mas deveria. A crise hídrica, que leva a escassez de chuvas e coloca em cheque a produção de energia, levando o país a bandeira vermelha e o aumento de custos, consequentemente a inflação, é uma consequência direta da “boiada do Salles” e das “reformas infralegais” defendida por ele, entendida aqui como o aumento do desmatamento e das queimadas na Amazônia e os mecanismos usados para facilitar tais eventos, ou pelo menos dificultar a fiscalização para impedir que acontecessem.

Esse tipo de ação tem consequências diretas para o setor produtivo e para os consumidores, embora o nexo causal nem sempre seja exposto com clareza. O desmatamento e as queimadas na Amazônia são os responsáveis pela redução do volume de chuvas na região que produz cerca de 75% por Produto Interno Bruto – PIB e se, essa situação persistir a longo prazo, essa mesma região corre o risco de desertificação, de acordo com parecer de especialista do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Inpe. Mas os efeitos climáticos não terminam por aí: essa semana uma nuvem de poeira atingiu municípios do interior de São Paulo, uma das regiões mais ricas e desmatadas no Brasil e representa a materialização de algo que acontece com frequência no país: a negligência com as questões ambientais e os impactos diretos sobre o setor produtivo e as relações de consumo. A economia está cada vez mais entrelaçada com meio ambiente e se isso não permear as discussões e ações emregnciais o futuro do país e do PIB estará seriamente comprometido

Janine Alves
Graduada em Economia e doutora em Gestão do Conhecimento, faz parte do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Conhecimento, Aprendizagem e Memória Organizacional (Interdisciplinary research group on knowledge, learning and organizational memory), núcleo de excelência em pesquisa científica e tecnológica, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC/UFSC). Trabalhou como: professora da UFSC e Univali, colunista de economia do Grupo RIC Record (Jornal Notícias do Dia e Ric Record TV) e analista de economia na RBS - TV/ NSC - Diário Catarinense, Consultora de Economia Internacional para a CIP Cosultores – Espanha, Diretora do Escritório do Governo da Galicia/Espanha no Brasil, Diretora de Integração Internacional e Consultora de Economia do Governo de Santa Catarina (Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Assuntos Internacionais), etc.
Mais notícias para você
Últimas notícias

Jesse Koz e Shurastey serão homenageados com pintura e dog park em BC

O influenciador Jesse Koz e o cão Shurastey, que morreram em um acidente de trânsito nos Estados Unidos, na...
.td-module-meta-info { font-family: 'Open Sans','Open Sans Regular',sans-serif; font-size: 14px !important; margin-bottom: 7px; line-height: 1; min-height: 17px; } .td-post-author-name { font-size: 14px !important; font-weight: 700; display: inline-block; position: relative; top: 2px; }