Portal Making Of

Cresce número de crianças com smartphone próprio em 2021

Cresce número de crianças com smartphone próprio em 2021
Pixabay

A mais recente pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box Crianças e Smartphones no Brasil, apurou que o isolamento social e as aulas online durante a pandemia da Covid-19 contribuíram para um aumento na proporção de crianças que possuem smartphone próprio, assim como aumentou o tempo de uso desse tipo de dispositivo por elas, seja nas atividades de ensino online ou entretenimento.

A pesquisa foi realizada nos dias dias 15 e 23 de setembro com 1.962 pais que possuem smartphone e que têm filhos de 0 a 12 anos e apresenta um aumento de 44% há um ano para 49% agora a proporção de famílias brasileiras cujos pais têm smartphone e que permitem que os filhos possam ter um aparelho próprio. 71% destes aparelhos possuem chip de operadora, o que permite às crianças realizarem ligações na rede telefônica e acessarem a rede de Internet móvel. Na pesquisa anterior o percentual era 75%.

O maior crescimento de posse de celular aconteceu entre as crianças na faixa etária de 7 a 9 anos: a proporção com smartphone próprio subiu de 52% para 59% no intervalo de um ano. No grupo de 10 a 12 anos, o percentual passou de 76% para 79%. Mais da metade dos pais entrevistados, 58%, apontam os estudos como um dos motivos para a criança possuir o aparelho, seguido por entretenimento (57%) e comunicação com os pequenos (54%).

Entre os pais que emprestam os smartphones aos filhos, a principal razão é entreter a criança enquanto realizam outras tarefas, dizem 57% deles, enquanto 41% informam que emprestam o aparelho para que os filhos desenvolvam habilidades com tecnologia – era permitido marcar mais de uma opção.

Ao mesmo tempo que boa parte das famílias permitem que as crianças possam ter um aparelho próprio, uma importante parcela dos país – 66% – temem prejuízos ao desenvolvimento das crianças, somando 66%, sendo esta a principal razão para não permitirem o acesso dos filhos aos aparelhos. Neste caso, as crianças não têm um dispositivo próprio e nem usam emprestado o dos pais. O risco de exposição a conteúdo inapropriado vem em segundo lugar (36%), seguido do risco à saúde (28%). E 21% dos pais dizem que não emprestam seu smartphone por medo que a criança o quebre.

“Durante a pandemia, os pais brasileiros abrandaram o controle do tempo que seus filhos passam com o smartphone. Certamente porque as crianças necessitam ter acesso às aulas online e também porque houve a necessidade de ter as crianças em atividades dentro de casa”, comenta Fernando Paiva, editor do Mobile Time e coordenador da pesquisa. “Em um ano, caiu de 72% para 65% a proporção de pais que estipulam um limite máximo de tempo de uso por dia para as crianças”, destacou ele.

Outra descoberta da pesquisa está relacionada ao tempo que a criança passa no celular ao longo do dia: quanto mais velha a criança, mais tempo com o smartphone. No grupo de 10 a 12 anos, 37% ficam quatro horas ou mais, estimam seus pais. Esse percentual cai para 21% na faixa entre 7 e 9 anos; para 14%, entre 4 e 6 anos; e 6%, de 0 a 3 anos. 

A pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box Crianças e Smartphones no Brasil revela que 60% dos pais entendem que os filhos passam mais tempo do que deveriam com smartphones. A preocupação é maior entre mães (63%) que entre pais (55%). E há também uma diferença de acordo com a renda familiar mensal, sendo maior nas famílias das classes A e B (63%) do que naquelas das classes C, D e E (58%).

Os colunistas são responsáveis por seu conteúdo e o texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal Making of.

Compartilhe esses posts nas redes sociais:

Ibope de rádio: sigam os líderes

A mais recente pesquisa Kantar Ibope de rádio, considerando os meses de maio e junho, mostra que as líderes não foram incomodadas em suas posições.

Eliana chama patrocinadores

Já se viu de tudo em relação a patrocinadores, pois afinal são eles que garantem a existência de conteúdos. Mas acabamos de descobrir que existe

Caça aos cliques

Os portais de internet, dos pequenos aos grandes, se dedicam a técnicas para sensibilizar a busca no Google e impactar as métricas de audiência. São

TV Gaúcha x TV Guaíba

Antônio Britto, jornalista, ex-governador e ex-ministro da previdência, colega dos primeiros anos de profissão, lembrou em recente vídeo sua contratação pela TV Gaúcha em 1978.

Globo erra na escala de narradora

A web pode ser cruel para quem desempenha atividade pública e está exposto a avaliações nem sempre procedentes. Foi o que aconteceu com a narradora

O rádio vive

A coluna, sempre que possível, gosta de acompanhar a audiência de rádio. Embora não sejam dados superlativos como entre os portais de internet, revelam a

Ídolos de barro

Difícil ter ídolos hoje em dia. Na música a safra é terrível. Com raras exceções, as letras são pobres, óbvias, cantoras se destacam pelas roupas

Uma opinião isenta, por favor

Está cada vez mais difícil encontrar uma opinião isenta sobre fatos do nosso dia a dia. Nunca se sabe se opinião que lemos ou escutamos

Vacilos em áudio e vídeo

Eliane Cantanhêde tem 71 anos e uma longa carreira nos principais jornais brasileiros, entre eles o Estadão, para quem escreve atualmente. Também participa todas as

Ibope de rádio: sigam os líderes

A mais recente pesquisa Kantar Ibope de rádio, considerando os meses de maio e junho, mostra que as líderes não foram incomodadas em suas posições.

Eliana chama patrocinadores

Já se viu de tudo em relação a patrocinadores, pois afinal são eles que garantem a existência de conteúdos. Mas acabamos de descobrir que existe

Caça aos cliques

Os portais de internet, dos pequenos aos grandes, se dedicam a técnicas para sensibilizar a busca no Google e impactar as métricas de audiência. São

TV Gaúcha x TV Guaíba

Antônio Britto, jornalista, ex-governador e ex-ministro da previdência, colega dos primeiros anos de profissão, lembrou em recente vídeo sua contratação pela TV Gaúcha em 1978.

Globo erra na escala de narradora

A web pode ser cruel para quem desempenha atividade pública e está exposto a avaliações nem sempre procedentes. Foi o que aconteceu com a narradora

O rádio vive

A coluna, sempre que possível, gosta de acompanhar a audiência de rádio. Embora não sejam dados superlativos como entre os portais de internet, revelam a

Ídolos de barro

Difícil ter ídolos hoje em dia. Na música a safra é terrível. Com raras exceções, as letras são pobres, óbvias, cantoras se destacam pelas roupas

Uma opinião isenta, por favor

Está cada vez mais difícil encontrar uma opinião isenta sobre fatos do nosso dia a dia. Nunca se sabe se opinião que lemos ou escutamos

Vacilos em áudio e vídeo

Eliane Cantanhêde tem 71 anos e uma longa carreira nos principais jornais brasileiros, entre eles o Estadão, para quem escreve atualmente. Também participa todas as