Agosto 03, 2018

Tiros no bar

Tiros no bar
Foto: Mac&Wild/Divulgação

Se você viu muito filme de cowboy na infância, deve gostar da novidade apresentada por um bar londrino. O Mac & Wild substituiu os antigos espaços de boliche por um stand de tiro, no melhor estilo Velho Oeste. O pub oferece réplicas de espingardas e duas pistas de tiro virtual. Os frequentadores podem testar a pontaria com vasos de cerâmica e animais. Todos virtuais, tal qual um game.  

Outra novidade do Mac & Wild é a criação de um bar de whisky, que tem um cardápio exclusivo de single malts e highballs, desenvolvidos pela Glendfiddich e a Monkey Shoulder. E, um espaço mais diferente: o “Dreams in the Dark”. Nessa experiência os clientes ficam na mais absoluta escuridão e provam whiskys diferenciados. O preço da brincadeira sensorial é 40 libras.

________________________

 

TOP 10  

Por falar em whisky, a revista The Spirit Business apontou os 10 melhores lançamentos da indústria no mês de julho. Chama atenção o scotch 15 anos da Chivas Regal, finalizado em barris de conhaque; a tequila reposada Don Julio, com passagem por carvalho branco americano e barris de whisky; e uma variação do Johnnie Walker Blue: o Blue Label Ghost e Rare, uma edição limitada com malte envelhecido em destilarias famosas, fechadas pela Diageo no começo da década de 1980.


FOTO -  Diageo/Divulgação

_________________________

 

VINHO AZUL

Inovação, ou uma tremenda falta de bom senso? A produção de um lote de vinho azul anda provocando polêmica na Europa. Esse tipo de produto não é necessariamente novo, mas a ideia de um empreendedor francês, parece ter colocado combustível em um assunto que divide opiniões entre consumidores, produtores e órgãos reguladores. René Le Bail pretendia produzir 35 mil garrafas em vinícolas da França, mas a ideia repercutiu tão mal no país dele que – pra não desistir da ideia – teve que transferir a produção para a Espanha.

O vinho base é o chardonnay que recebe adição de antocianina, um pigmento natural encontrado na casca da uva roxa. O Vindigo, como é chamado, tem aroma de amora, maracujá e custa 12 Euros. É um vinho de piscina, muito procurado por mulheres. O problema é que a criação acabou associada a outras bebidas de cor azul-celeste. Entre elas as inglesas Eden e Skyfall, que misturam vinho com outras bebidas; e o espanhol Gik que recebe a adição de corantes artificiais (motivo pelo qual a Anvisa proibiu a importação para o Brasil em 2016). Os produtores franceses, dizem que não concordam com iniciativas como a do Vindigo porque esse tipo de ousadia pode desvirtuar todo o processo de vinificação e comprometer a credibilidade do setor. Se o vinho azul vai chegar ao Brasil, e se vai ser aprovado pela Anvisa, é uma incógnita.


FOTO – René Le Bail/Divulgação

_________________________________

 

EMOJI

Um dos pioneiros na produção de vinhos na região de Sonoma, nos Estados Unidos está liderando uma campanha inusitada: convencer o Unicode, o órgão que define padrões globais de codificação, a criar um emoji para o vinho branco. O produtor Kendall-Jackson elaborou um dossiê para convencer o grupo de estudo, criou um site e a hashtag #WhiteWineEmoji para mobilizar internautas e fãs das uvas brancas.

"Isso não vai mudar o mundo, mas vai libertar você de usar o emoji do vinho tinto quando o que você realmente quer é um copo de Chardonnay ou Sauvignon Blanc", diz o site. Os emojis de bebidas alcoólicas disponíveis são uma taça de vinho tinto; duas flautas e uma garrafa de champanhe; um copo de whisky; xícaras de saquê; um martini e uma coquetel.


FOTO – Reprodução

____________________________________

 

SHOT

Coluna informou há pouco mais de uma semana sobre o Rio Wine And Food Festival que inicia nesta sexta-feira (03). Pois além das degustações e programas gastronômicos, empreendedores vão discutir oportunidades no segmento. O Seminário Vinho e Mercado, promovido pelo Sebrae vai analisar perspectivas do mercado nacional e de importados; gestão; vendas e marketing; e-commerce; tributação, além de cases relevantes do mercado de vinhos. A programação do seminário e inscrições estão acessíveis nesse link.

Cervejaria Bierland, de Blumenau, anunciou essa semana os finalistas do concurso que elege a melhor receita de Catharina Sour – o primeiro estilo cervejeiro 100% nacional. Cinco cervejeiros caseiros continuam na disputa: Daniel Córdova (Florianópolis), Egon Silveira (RS), Rafael Almeida (MG), Sílvio Rode (Rio do Sul) e William Subi (Penha). O resultado final sai no dia 11 de agosto e quem vencer, vai ver a receita sendo produzida pela Bierland em escala comercial.

Depois da cerveja, uísque e gim. O movimento é da cervaria mineira Backer, que começa produzir destilados com uma pegada diferente. O single malt foi elaborado com malte e fermento cervejeiro. Já o gin recebeu zimbro, especiarias e - lúpulo. Os produtos estão sendo vendidos inicialmente no bar de fábrica em Belo Horizonte, mas devem chegar aos demais pontos de venda do país até o fim do ano.

Tags:
vinhos cervejas cerveja artesanal drinks destilados whiskey gastronomia portal makingof
Compartilhe: Compartilhe no FacebookCompartilhe no TwitterCompartilhe no Linkedin

Artigos Relacionados

Redação Making Of

Comentários

Media Social

Fique por dentro

Receba novidades no seu e-mail!